Rádio Observador

Cultura

Projeto “Mar-Planície” junta cante alentejano e música improvisada em Évora

O espetáculo, marcado para a Praça do Giraldo, às 22h00 de quinta-feira, integra a edição deste ano do Festival Artes à Rua, organizado pela Câmara de Évora e que decorre até 5 de setembro.

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

“Mar-Planície” é o novo projeto do saxofonista e compositor Carlos Martins que é apresentado em Évora, na quinta-feira, e que junta “pela primeira vez de forma sustentada o cante alentejano e a música improvisada”, segundo a organização.

O espetáculo, marcado para a Praça do Giraldo, “sala de visitas” da cidade alentejana, às 22h00 de quinta-feira, integra a edição deste ano do Festival Artes à Rua, organizado pela Câmara de Évora e que decorre até 5 de setembro, indicou esta terça-feira o município.

“Mar-Planície” é um espetáculo que “junta pela primeira vez de forma sustentada o cante alentejano”, classificado como Património Imaterial pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), “e a música improvisada, criando uma nova abordagem conjunta para a qual foi escrita música original”, pode ler-se no comunicado que divulga o projeto.

Para esta “mistura de diferentes sonoridades”, o saxofonista e compositor Carlos Martins, ligado à área do jazz, convidou os músicos João Paulo Esteves da Silva, Carlos Barretto, Mário Delgado, Alexandre Frazão, Manuel Linhares, Joana Guerra e José Conde, além do Grupo Cantares de Évora.

A iniciativa conta também com a participação do escritor José Luís Peixoto, que criou de raiz os textos do projeto, bem como das modas que Carlos Martins escreveu para o Grupo Cantares de Évora e que, na quinta-feira, são interpretadas em palco, em estreia absoluta, realçou também a organização.

A iniciativa integra igualmente uma componente visual que “mostra a essência do Alentejo” e que é “revelada através da lente do fotógrafo José Manuel Rodrigues”.

A proposta, resultante de uma encomenda do município, “aborda criativamente as possibilidades de diálogo entre o ego e a comunidade, tão complexo nos nossos dias, lançando pontes entre a improvisação e a criatividade social comunitária”, explicou a organização.

Segundo o comunicado, “o maior desafio para o compositor, também ele alentejano, foi escrever música” que contivesse “pistas para os códigos humanos ancestrais, propondo uma perspetiva de equidade entre práticas performativas e culturais, para acabar com os estereótipos de baixa e alta cultura” ou mesmo “de boas e más culturas”.

O espetáculo é “fruto da vontade de deixar uma obra global”, mas, ao mesmo tempo, “geoculturalmente referenciada no Sul e no Mediterrâneo”.

O criador pretende propor “uma nova abordagem ao cante alentejano, no seu alcance geográfico e espiritual, com todas as suas influências, como inspiração para a construção de um repertório em que, através da improvisação e do jazz, se possam desbravar novos caminhos”, indicou a nota de imprensa.

A “ideia central de composição” inspira-se na “tradição alentejana da respiração dos espaços e dos tempos, da luz e dos contrastes de sombra, da camaradagem e da construção humana da cultura e do universo”, frisou.

“Vemos o mundo pelo filtro do Alentejo e vemos o Alentejo pelo filtro do mundo. Somos um coro de sons-palavras-imagens, temos uso para a sabedoria ancestral e para o agora do improviso, do instinto. Sabemos que o mar continua a planície, e vice-versa, um não existe sem o outro, são a mesma coisa”, escreveu José Luís Peixoto, no âmbito do projeto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)