Rádio Observador

Angola

Uganda e Ruanda assinam acordo que põe fim a acusações mútuas

Os Presidentes do Uganda, Yoweri Museveni, e do Ruanda, Paul Kagamé, assinaram o Memorando de Entendimento de Luanda, que coloca fim a acusações mútuas entre os dois países.

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Os Presidentes do Uganda, Yoweri Museveni, e do Ruanda, Paul Kagamé, assinaram esta quarta-feira, na capital angolana, o Memorando de Entendimento de Luanda, que coloca fim a acusações mútuas entre os dois países.

O ato de assinatura do documento ocorreu durante uma cimeira quadripartida, em que participaram além dos dois Presidentes, os chefes de Estado de Angola, João Lourenço, da República Democrática do Congo (RDCongo), Félix Tshissekedi, e da República do Congo, Denis Sassou Nguesso, também convidado para o encontro.

O Presidente anfitrião e facilitador do acordo, João Lourenço, disse que situações de desentendimentos são comuns entre países, como o caso do Uganda e do Ruanda, “vizinhos e com laços ancestrais de verdadeira e profunda irmandade”.

As relações entre os dois países deterioraram-se nos últimos meses, ao ponto de fazer com que ex-aliados se acusassem de espionagem, assassinato político e interferência nos assuntos internos.

Segundo o chefe de Estado angolano, os dois países “atravessam um momento particularmente difícil de relacionamento entre si, situação que contraria a vontade dos respetivos povos e afeta seriamente a economia de ambos os países”.

João Lourenço lembrou que na cimeira quadripartida de Luanda, realizada em 12 de julho, que juntou os chefes de Estado do Uganda, Ruanda, RDCongo e Angola, ficou incumbido, coadjuvado pelo Presidente da RDCongo, de acompanhar de perto o desenrolar do diferendo, ouvir as partes e propor soluções que satisfaçam os interesses de ambos e da região.

O Presidente angolano acrescentou que, num curto espaço de tempo, foram desenvolvidos contactos entre Kampala e Kigali, a nível de equipas técnicas e a nível ministerial, através de mensagens verbais para os Presidentes Yoweri Museveni e Paul Kagamé, “que viram na iniciativa uma boa e grande oportunidade a abraçar e a seguir”.

“Ao terem tido a coragem e pragmatismo com o texto proposto e negociado, dão um grande exemplo de como no nosso continente todas as nossas diferenças, receios, disputas e conflitos devem ser resolvidos pela via do diálogo”, salientou João Lourenço.

Um entendimento que deve também passar pelo “compromisso de cada um de se abster de atividades que possam ser interpretadas pela outra parte como atos lesivos dos seus interesses económicos, socioculturais ou mesmo de segurança nacional”, frisou.

Para o Presidente angolano, o mérito desta conquista é dos seus dois homólogos “por terem compreendido, sido movidos pelo sentimento de que os benefícios deste pequeno grande passo são para os povos e as economias dos países que dirigem”.

“Como grandes estadistas que sois tiveram esta visão, África e o mundo acompanham com interesse e ansiedade o desfecho deste momento histórico”, vincou.

Em conferência de imprensa, o chefe de Estado angolano considerou ainda que com a assinatura do acordo colocou-se “uma pedra sobre algo que a todos preocupava, que era o relacionamento entre dois países irmãos”.

“Este acordo para nós representa o início do processo de consolidação da paz da região dos Grandes Lagos”, sublinhou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)