Rádio Observador

Ambiente

Porto. Manifestantes apelam à defesa do ambiente, da Amazónia e contestam Bolsonaro

259

O protesto, destinado a "denunciar as queimadas criminosas na Amazónia que estão a acontecer há mais de 15 dias e que se alastraram pelos países da América Latina", juntou algumas dezenas de pessoas.

O número de incêndios no Brasil aumentou 83% este ano

Victor Moriyama / Greenpeace Brazil HANDOUT/EPA

Algumas dezenas de pessoas, manifestantes e curiosos, concentraram-se este sábado à tarde, no Porto, em defesa da Amazónia e do ambiente, apostados em “entrar no mapa das mobilizações internacionais” para pressionar a saída de Bolsonaro do poder. “Queremos entrar no mapa das mobilizações internacionais para ver se conseguimos pressionar para tirar o Bolsonaro do poder”, declarou Fabiana Martins, da organização, em declarações à Agência Lusa à margem da iniciativa, destinada a “denunciar as queimadas criminosas na Amazónia que estão a acontecer há mais de 15 dias e que se alastraram pelos países da América Latina”.

Explicando tratar-se de uma concentração “tanto de portugueses como de brasileiros, convocada por pessoas com preocupações ambientais e com a Amazónia” e por movimentos como O Porto não se vende, A Colectiva e o Extiction Rebellion, além de ambientalistas, feministas e a comunidade de imigrantes brasileiros, Fabiana Martins destacou a preocupação que todos partilham “não só com a Amazónia, mas com todas as políticas de extermínio que Bolsonaro [presidente do Brasil] tem promovido, tanto de genocídio como de ecocídio”.

“Não é uma questão de maldade ou de má administração, é mesmo uma questão política, ambiental e criminal”, sustentou, recordando que “no Brasil já há gente na luta há muito tempo”, sendo “os povos quilombolas [descendentes de escravos], indígenas e ribeirinhos os mais afetados” com a não preservação da Amazónia, a maior floresta tropical do planeta.

Sustentando que, “só em oito meses, a administração Bolsonaro já tomou várias medidas que fragilizaram muito a preservação” ambiental, exonerando pessoas responsáveis e sendo um “negacionista da ciência”, Fabiana criticou o “discurso totalmente ideológico e até um pouco esquizofrénico” do atual presidente, “que não faz o Brasil avançar”. “Queremos a demissão deste Governo, queremos tirar o Bolsonaro e o ministro do meio ambiente, Ricardo Silva, do poder. No Brasil já não temos uma democracia, o número de assassinatos de lideranças indígenas aumentou brutalmente e o silêncio do Bolsonaro nestas questões é ensurdecedor. Além de ignorar, ele criminaliza a participação social e democrática dos movimentos sociais de base e não podemos mais fechar os olhos a isto”, disse.

Segurando um cartaz onde se lia “Ô Bolsonaro, cê não me engana, o latifúndio botou fogo na Amazónia”, a brasileira Lena Barros, de 31 anos e há cinco a viver em Portugal, disse à Lusa que a situação “já estava fadada a acontecer, com um presidente que tem um total desrespeito pelos órgãos de fiscalização do meio ambiente e que contesta os dados de desmatamento dos institutos nacionais de pesquisa”. “Com um presidente que diz que pacto ambiental é coisa de veganos e é um atraso para o país isto estava fadado a acontecer”, considerou, defendendo que é preciso aproveitar “a plataforma mundial” que está a formar para “os países do mundo inteiro se reunirem e verem que medidas se podem tomar para acabar com isto”.

Já a portuguesa Ana Garcia, de 36 anos, confessou-se à Lusa “muito preocupada” com a delapidação “dos recursos naturais e da natureza”, recordando que “é um problema que já se arrasta há muitos anos, mas que tem vindo a agravar-se”.”Há uma tendência para explorar cada vez mais os poucos recursos que já temos e estou aqui para denunciar a falta de sensibilidade de quem governa este mundo, que se preocupa mais com o capital do que com os valores ecológicos e humanos. Estamos a falar em direitos humanos, a natureza somos todos nós”, disse.

O número de incêndios no Brasil aumentou 83% este ano, em comparação com o período homólogo de 2018, com 72.953 focos registados até 19 de agosto, sendo a Amazónia a região mais afetada. A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta. Tem cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (pertencente à França).

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) brasileiro anunciou que a desflorestação da Amazónia aumentou 278% em julho, em relação ao mesmo mês de 2018.

O presidente francês, Emmanuel Macron, apelou este sábado à “mobilização de todas as potências” para ajudar o Brasil e outros países atingidos a lutarem contra os incêndios na Amazónia e a investir na reflorestação das regiões afetadas. “Devemos responder ao apelo da floresta (…) da Amazónia, nosso bem comum (…) e por isso vamos agir”, declarou Macron, dirigindo-se aos franceses antes do início da cimeira das grandes potências industriais (G7), que decorre este fim de semana em Biarritz, no sudoeste de França. Os fogos florestais que estão a devastar a Amazónia impuseram-se à última hora na agenda da cimeira, com Macron a evocar uma “crise internacional”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Alterações Climáticas

A lei do EROI

Marco Robalo

Ouvimos muito falar na esperança em tecnologias, mas este debate foge da realidade e concentra-se em ideias de ficção científica, pois ninguém sabe como resolver as necessidades de consumo instaladas.

Universidade de Coimbra

Fraca carne

Henrique Pereira dos Santos
897

Substituir carne por peixe (ou por vegetais), sem saber de que sistemas de produção (e de que ciência) estamos a falar é completamente vazio do ponto de vista da sustentabilidade ambiental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)