Rádio Observador

Futebol

A semana perfeita do Flamengo de Jorge Jesus, o treinador “bom demais”, acabou na liderança do Brasileirão

1.458

O Flamengo de Jorge Jesus chegou à liderança do Brasileirão ao vencer o Ceará (0-3) depois de esta semana já ter impressionado na Libertadores. O treinador, na voz dos brasileiros, já é "bom demais".

O treinador português tem sido muito elogiado pelos adeptos do Flamengo

Este domingo, Jorge Jesus tinha a possibilidade de completar uma semana perfeita no Brasil: começou na semana passada, com a goleada perante o Vasco da Gama num dos dérbis do Rio de Janeiro; continuou com a vitória no Maracanã, contra o Internacional, que coloca o Flamengo em boa posição para passar às meias-finais da Taça Libertadores; e podia acabar com um resultado positivo no terreno do Ceará que valia a liderança do Brasileirão. Com o jogo do Palmeiras de Scolari a ser adiado e o empate do Santos, que esteve a ganhar 3-0 ao Fortaleza para depois permitir três golos, Jorge Jesus podia chegar ao primeiro lugar da liga brasileira em cenário de vitória.

Ainda assim, a semana do Flamengo acabou por ser manchada por um episódio fora dos relvados que pode deixar o treinador português desprovido de um dos seus principais jogadores. Gustavo Cuéllar, médio colombiano que é normalmente titular no meio-campo do Flamengo, pediu dispensa do jogo deste domingo com o Ceará alegando “motivos pessoais”: o clube não só negou a autorização a Cuéllar como emitiu um comunicado onde explica que “discorda do posicionamento do atleta” e decreta a suspensão do colombiano “por tempo indeterminado”. O médio, que esteve na Copa América com a seleção da Colômbia, é um dos favoritos dos adeptos do Flamengo e um elemento importante para Jorge Jesus mas demonstrou nas últimas semanas vontade de deixar o Rio de Janeiro. O episódio do pedido de dispensa terá sido a gota de água para a direção do clube brasileiro, que deixa agora em stand by um dos jogadores mais importantes da equipa.

Quem pode servir como desbloqueador do dossiê, para um lado ou para o outro, é Jorge Jesus. Segundo a comunicação social afeta ao Flamengo, a opinião do treinador tem cada vez mais influência junto da cúpula do clube e uma afirmação de Jesus — quer seja a favor da permanência de Cuéllar ou a favor da saída de Cuéllar — pode perfeitamente ser empurrão necessário para o decidir da situação. E a verdade é que a influência de Jorge Jesus, em curva ascendente nos corredores do Maracanã, também está a crescer junto dos adeptos e do circuito mais próximo do Flamengo. Nas redes sociais, onde anteriormente se testemunhava um sem fim de críticas às táticas do treinador, às escolhas do treinador, às opções do treinador, vêem-se agora centenas de elogios a Jorge Jesus, que é já um técnico “bom demais”, como se ouvia este domingo na transmissão do jogo com o Ceará.

Na antecâmara da visita ao Ceará, o treinador português fazia cinco alterações em relação ao onze que jogou contra o Internacional, numa clara poupança dos habituais titulares para atacar a segunda mão dos quartos da Libertadores. Saíam Filipe Luís, Rafinha, Éverton e Bruno Henrique, para além do obrigatório Cuéllar, e entravam João Lucas, Renê, Piris, Gerson e Berrío. Na primeira parte, contra um Ceará que à entrada para o jogo estava em 13.º lugar, o Flamengo não entrou muito forte, com dificuldades em chegar com a bola controlada ao último terço do adversário — ainda assim, permanecia a equipa mais consciente e paciente, à espera das subidas do Ceará para depois avançar de forma ponderada.

Depois de uma grande oportunidade que Berrío desperdiçou — o colombiano atirou por cima na cara do guarda-redes adversário depois de uma arrancada de Gabigol pela esquerda (15′) –, o Flamengo chegou à vantagem por intermédio do central Pablo Marí. Numa jogada claramente ensaiada, a partir de um lançamento de linha lateral na esquerda, Berrío deixou a bola à mercê de Pablo Marí e o espanhol atirou de forma indefensável para inaugurar o marcador (22′). O Ceará ficou muito perto de empatar logo no lance seguinte mas João Lucas evitou o golo em cima da linha e manteve a equipa de Jorge Jesus em vantagem. Até ao intervalo, o Flamengo ainda conseguiu chegar ao segundo golo, no culminar de um lance coletivo impressionante (a bola só não passou por um jogador) que voltou a ter Berrío na assistência mas que desta vez foi concretizado por Gabigol (35′).

Na segunda parte, o jogo perdeu alguma qualidade e tornou-se mais físico. Num encontro com três golos anulados por fora de jogo — dois ao Ceará, um ao Flamengo –, Leandro Carvalho ainda foi o protagonista de um episódio que deixou o estádio em suspenso. O jogador do Ceará chocou de cabeça com Renê e perdeu os sentidos durante alguns instantes, acabando por sair de ambulância e imobilizado. Jesus ainda lançou Bruno Henrique e Rafinha, numa tentativa não só de segurar o corredor direito, por onde a equipa adversária estava a procurar entrar, mas também de ir à procura do terceiro golo que colocaria um ponto final decisivo na partida. O terceiro golo (que pode ver no vídeo em baixo) só apareceu já no final de um longo período de descontos, devido à assistência a Leandro Carvalho, mas mereceu a espera: o uruguaio Arrascaeta marcou de pontapé de bicicleta quase à entrada da grande área depois de um cruzamento a partir da esquerda e deixou em êxtase os 15 mil adeptos do Flamengo que viajaram desde o Rio mas também os do Ceará, que acabaram por aplaudir, num momento que lembrou o golo de Cristiano Ronaldo ainda ao serviço do Real Madrid que foi celebrado também pelos apoiantes da Juventus.

Jorge Jesus chega à liderança do Brasileirão e fica com os mesmos 33 pontos do Santos mas com uma melhor diferença de golos. A meio da semana, na madrugada de quarta para quinta-feira, o Flamengo desloca-se ao recinto do Internacional para a segunda mão dos quartos da Libertadores (1h30) e no domingo recebe no Maracanã o Palmeiras de Scolari (20h).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)