O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, pediu este domingo aos aliados da NATO para cumprirem as suas promessas de “defender as liberdades hoje e sempre”, durante a cerimónia do 80º aniversário do início da II Guerra Mundial, em Varsóvia. Mike Pence referia-se, particularmente, à necessidade de compromisso com as metas de dedicar 02% do PIB em matérias de Defesa, de acordo com os regulamentos da NATO, que os EUA acusam vários países de não cumprir.

Os Estados Unidos e a Polónia continuarão, com todos os aliados, na defesa comum. Mas os Estados Unidos e a Polónia também continuarão a pedir aos aliados para cumprirem as promessas que fizemos”, afirmou Mike Pence, na sua intervenção nas cerimónias que assinalam os 80 anos do início da II Guerra Mundial, em Varsóvia.

Perante uma plateia onde se encontravam dezenas de líderes mundiais, incluindo vários de países pertencentes à NATO, o vice-presidente norte-americano referiu a necessidade de um envolvimento de todos os atores para garantir os valores de liberdade conquistados após a vitória dos Aliados contra o regime nazi.

Pouco antes da intervenção de Mike Pence, o Presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, tinha falado da responsabilidade especial da Alemanha na construção do projeto europeu, dizendo que Berlim o olha como “projeto de esperança” e agradecendo aos EUA pelo seu compromisso com as liberdades, a democracia e a defesa do continente.

Desde que chegou à Casa Branca, em 2016, o Presidente norte-americano, Donald Trump, tem referido que esse compromisso deve ser partilhado e tem apontado o dedo à Alemanha, lembrando que esse país (a quarta maior economia do mundo) apenas dedica 1,3% do PIB em matéria de Defesa, abaixo do acordado nas regras da NATO, a que pertence.