Sim, “tem sido uma verdadeira luta”. E não, “não está tudo bem”. Meghan Markle assume que tem sido difícil lidar com a maternidade recente. A duquesa de Sussex sublinha que é sempre assim com todas as mulheres — e pais — que acabam de ter filhos, mas admite que o caso dela tem sido particularmente duro por causa da pressão mediática e das críticas constantes.

A confissão foi feita durante uma entrevista para um documentário da ITV — emitido este domingo —, ao jornalista Tom Bradby, que acompanhou a viagem recente de 10 dias que os duques de Sussex fizeram a África. Quando Bradby pergunta como é que a duquesa está a lidar com toda a pressão que, claramente, está a sentir, Meghan Markle não consegue evitar as lágrimas: “Obrigada por perguntar porque poucas pessoas me perguntaram se estou bem”.

Qualquer mulher, especialmente quando está grávida, está realmente vulnerável. Isso tornou-se um grande desafio. Depois, quando tens um recém nascido, especialmente para as mulheres, é muita coisa. Então soma isto [a pressão mediática] a estares só a tentar ser mãe ou recém-casada.”

“É justo dizer que a resposta [sobre se está bem] é ‘nem por isso’ e que tem sido uma verdadeira luta?”, perguntou o jornalista. “Sim”, admitiu Meghan Markle.

As declarações da duquesa de Sussex surgem duas semanas depois de, em comunicado, o marido de Markle, o príncipe Harry, ter anunciado que os duques iam processar um jornal inglês — o Mail on Sunday — por causa da cobertura noticiosa relacionada com a sua mulher.

No texto, Harry diz que Meghan é “uma das últimas vítimas da imprensa tabloide britânica que faz campanhas contra indivíduos sem pensar nas consequências — uma campanha implacável que escalou no último ano”, critica e lamenta a pressão mediática e sublinha que, na era digital, uma mentira pode permanecer para sempre:

Existe um custo humano para esta propaganda implacável, especificamente quando é conscientemente falsa e maliciosa, e apesar de termos continuado a pôr uma cara corajosa — como muitos de vocês se podem identificar –, não consigo começar por descrever o quão doloroso tem sido. Porque, na era digital de hoje, as fabricações da imprensa são reaproveitadas como verdade em todo o mundo”, lê-se no mesmo comunicado, que enfatiza a necessidade de uma cobertura noticiosa “objetiva e verdadeira”.

O príncipe chega mesmo a recordar a mãe, a princesa Diana, para sublinhar os efeitos que o comportamento dos tabloides pode ter: “O meu maior medo é que a história se repita outra vez. Eu vi o que acontece quando alguém que amo é transformado numa mercadoria ao ponto de já não serem tratados ou vistos como uma pessoa real. Perdi a minha mãe e agora vejo a minha mulher a ser vítima das mesmas forças poderosas”.