Até à estreia do filme, não vamos conseguir ver mais do que isto. São dois minutos e meio de imagens do novo “Star Wars: A Ascensão de Skywalker”, o novo filme da saga criada por George Lucas (desvios narrativos à parte), que chega às salas de cinema portuguesas a 19 de dezembro. Este é o trailer final:

O aviso surge em letras maiúsculas e é oficial: este é o final de uma saga, a saga Skywalker. E se o dizem, é bem provável que assim seja. Mas com fim de uma saga não surgirá outra? Até que ponto a Disney, pela mão da produtora Lucasfilm, estará disposta a abdicar de um dos títulos de maior sucesso da história do cinema. É pouco provável.

Mas por enquanto, ficamos com esta informação, que é apenas uma das que aparece no trailer final do novo filme, ali mesmo à espera do Natal para faturar que nem gente grande. Tem vezes que a tradição ainda é o que era e no caso de Star Wars isso é levado a sério, até porque o segredo dos filmes, ou da relação dos mesmos com os fãs, está nas expectativas. É relativamente simples perceber o que os fãs querem ver quando chegarem às salas de cinema. Não é assim tão simples transformar essa informação em bons filmes. A ver vamos o que vai acontecer com este nono episódio.

A história de “A Ascensão de Skywalker” segue o final de “Os Últimos Jedi” (naturalmente), o filme anterior que terminou com a morte de Luke Skywalker, o mártir que se ocupou do inimigo Rylo Ken enquanto a Resistência escapava para poder reunir-se e combater a Primeira Ordem (os herdeiros do Império Galático). Ou seja, mais ou menos o que acontece no episódio IV, quando Obi Wan Kenobi se deixa vencer por Darth Vader para os bons fugirem e poderem limpar os maus. E é este confronto que está guardado para o nono capítulo, porque é às voltas na história de sempre que Star Wars sempre conseguiu sucesso de bilheteira. Repetitivo para uns, confortável para outros, enfim, é o que é.

A acreditar no que diz J.J. Abrams, o produtor/realizador/argumentista responsável por dar nova vida à Guerra das Estrelas, a equipa que fez “A Ascensão de Skywalker” “fez este filme com a perfeita noção de que seria o final e não andámos aqui a brincar”. Vale o que vale.

Neste novo (e último?) filme vamos poder ver personagens de outros tempos, como o Senador Palpatine, o tal que na verdade era o verdadeiro imperador, ou Lando Calrissian, o chefe da Cidade das Nuvens de “Império Contra-Ataca”, que volta a ser interpretado por Billy Dee Williams. Para os interessados nisto de recordar, os cinemas AMC nos EUA estão a organizar maratonas de 27 horas para ver os nove filmes da saga oficial de seguida. Fica a nota.