O Museu de História Natural e da Ciência da Universidade do Porto recebe, até 19 de julho de 2020, uma exposição que resulta da parceria entre a National Geographic e a Jeep. “Um século e tanto” celebra uma das instituições não lucrativas com maior reconhecimento mundial através de objetos, fotografias, mapas e excertos de documentários que prometem uma verdadeira montanha-russa de emoções a quem os for visitar.

Momentos como o toque de Jane Goodall a um chimpanzé recém-nascido ou a descoberta de Machu Picchu são apenas exemplos dos marcos que se recordam nesta exposição comemorativa, que conta com cerca de 150 imagens e mais uma série de objetos que marcaram a evolução da ciência com a chancela da National Geographic.

E se já sabemos que esta é uma boa oportunidade de conhecer um passado cheio de história e de descobrir os novos focos de atuação da National Geographic – da fauna à flora, da descoberta de novas espécies ao contributo para travar o impacto ambiental do plástico -, falta ainda dizer que é também uma oportunidade para agir pela proteção do ambiente. Como?

É que a Jeep, referência no universo automóvel SUV e todo-o-terreno, patrocina esta exposição como forma de apelar à consciência ambiental. E é nesse sentido – e no âmbito do programa “Jeep pela Natureza”- que a marca vai doar 1% das receitas de bilheteira ao projeto ProNatura, responsável por plantar mais de um milhão de árvores em Portugal desde 2002.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Depois de ter anunciado que, já no início do próximo ano, vai apostar num novo conceito de todo-o-terreno e inaugurar uma nova era com a introdução no mercado das versões PHEV (nos modelos Compass e Renegade), a Jeep volta a afirmar o seu compromisso com a natureza nesta parceria com a National Geographic e o ProNatura, dando a conhecer a importância da investigação científica e da proteção ambiental e ainda contribuindo ativamente para o financiamento da reflorestação de áreas ardidas em território português.

Quer fazer parte desta iniciativa?

Visite a exposição “Um século e tanto” até julho de 2020 e dê  assim o seu contributo.