Setenta por cento de posse de bola, 15 remates, sete cantos, maior percentagem de passe global e vertical. Olhando para as estatísticas globais da deslocação do Sporting em Tondela, os leões foram melhores em quase tudo mas também ficaram atrás em alguns capítulos como os duelos ganhos, as faltas cometidas ou os tiros enquadrados onde houve empate. No final, e como o que conta são os golos, Bruno Wilson, central formado na Academia, em Alcochete, decidiu a partida e voltou a dar mais uma mostra de como a formação leonina consegue produzir bons valores apesar da queda nos últimos anos – que conheceu este domingo mais um capítulo, com o afastamento surpreendente da equipa de juvenis da luta pelo título logo na primeira fase.

No final, falou-se de números para comentar o zero do Sporting em golos e pontos. E Bruno Fernandes, capitão verde e branco que voltou a ser o melhor da equipa comandada por Silas, apelou às estatísticas para falar de uma exibição que ficou escondida entre mais um resultado dececionante para os leões, que se encontram já a dez pontos do líder Benfica no Campeonato quando estão disputadas apenas dez jornadas da prova.

“Não marcámos golos, não tivemos eficácia e sofremos numa bola parada. Foi uma desconcentração nossa. O importante é olhar para a frente. Não desejávamos este resultado negativo mas o que temos vindo a trabalhar foi feito aqui, não tivemos foi a eficácia necessária”, começou por defender o internacional português na zona de entrevistas rápidas. “Tanta gente fala das estatísticas, basta olhar para elas. Acho que o Sporting dominou. O Tondela fez golos e merece a vitória mas para aqueles que dizem que o Sporting não joga nada e que gostam de analisar as estatísticas, vejam como o Sporting fez um bom jogo”, acrescentou o médio.

“O Sporting tem de continuar a lutar pelos seus objetivos. Agora temos uma viagem até à Noruega para garantir o mais rápido possível a qualificação para a próxima fase da Liga Europa”, rematou Bruno Fernandes, sem abordar o atual quarto lugar no Campeonato a dez pontos do Benfica e a oito do FC Porto e numa linha muito semelhante à que Silas utilizou na sala de imprensa para falar sobre aquela que foi a sua primeira derrota na Liga.

“Se fez falta um abre-latas? Abre-latas faltaria se nós não rematássemos e rematámos várias vezes, o Cláudio Ramos esteve a bom nível. Perder um jogo destes em que atacámos, atacámos e atacámos… Ficamos muito dececionados. Na segunda parte, temos dez tentativas de golo e o Tondela tem uma, nós não conseguimos fazer o golo e o Tondela fez um. Temos de criar mais ainda. Se não conseguimos fazer com dez oportunidades de golo, temos de ter mais oportunidades, para ver se conseguimos fazer com 20”, referiu, valorizando também o que tem vindo a ser feito pela equipa: “Houve muita coisa boa que fizemos e vamos mostrar aos jogadores, já a pensar no futuro. É pegar nisto, ver o que fizemos mal, o que fizemos bem e depois ver se conseguimos fazer mais golos”.

“É muito cedo para falar do mercado de inverno. Acreditámos nos jogadores que temos e é por isso que viemos. Na altura certa logo se verá mas há setores que devem ser reforçados, não especificamente o ataque até porque temos o Pedro Mendes, que já faz parte do nosso plantel e que, em janeiro, terá de ser inscrito”, concluiu Silas.