Um acordo entre a Web Summit e a SIBS permitiu que os pagamentos realizados em todo o evento, que decorreu entre 4 e 7 de novembro em Lisboa, pudessem te sido feitos por via eletrónica. Feitas as contas no final, a SIBS revela que foram “efetuadas 55,1 mil compras no recinto, com um consumo médio diário de 13,8 euros”.

A Web Summit em números

Do total das compras efetuadas, 22,4% foram de portugueses e 77,6% com cartões emitidos em países estrangeiros, diz ainda a SIBS. Os cidadãos do Reino Unido foram
os que registaram mais compras (17,1%), seguidos dos alemães (8,7%), holandeses (6,1%), franceses (4,8%) e norte americanos (4,6%).

O maior pico de transações aconteceu no dia 6 de novembro, o penúltimo dia da conferência tecnológica, às 13h20. Segundo a SIBS, 33,5% dos estrangeiros chegaram a Portugal no fim de semana anterior à realização do evento e 66,5% permaneceram no país apenas durante os dias da Web Summit.

Estamos muito orgulhosos pelo sucesso alcançado este ano na Web Summit, depois de vários meses de trabalho que permitiram construir um evento cashless
e oferecer uma experiência mais digital a todos os visitantes. É essa a nossa missão: tornar os pagamentos cashless numa realidade, ajudando a posicionar
Portugal como um país inovador que aposta fortemente na digitalização da sua economia”, afirma Madalena Cascais Tomé, presidente executiva da SIBS.

De acordo com a mesma entidade, no distrito de Lisboa houve um crescimento de 8% no número de operações em relação a 2018. Estas compras incidiram principalmente nos setores de “Comida e Bebida (41,4%), Supermercados (13%), Transportes (7,6%) e Alojamento (7%)”.

Este ano a Web Summit recebeu nomes como Margrethe Vestager (comissária europeia), Guo Ping (chairman da Huawei) ou Tony Blair (antigo primeiro-ministro britânico). A SIBS deve manter o “cashless” também em 2020.