O partido republicano Sinn Féin, antigo braço político do inativo IRA, vai tentar formar uma coligação governativa, depois de algumas sondagens o colocarem como o partido mais votado, com 24,1% dos votos (em 2016, tinha ficado nos 13,8%). Ainda assim, está muito perto dos dois partidos que nos últimos 100 anos têm governado o país, pelo que o futuro da Irlanda ainda está em aberto, numa altura em que o país continua a contar votos.

A líder do Sinn Féin, Mary Lou McDonald, disse este domingo que o resultado das eleições foi “histórico” e mostra “uma revolução”. McDonald disse que vai tentar formar uma coligação governativa com outros partidos. “Este não é mais um sistema bipartidário”, frisou.

O Sinn Féin conseguiu quase um quarto dos votos, podendo mesmo ter ultrapassando o Fine Gael, do primeiro-ministro Leo Varadkar, e o centrista Fianna Fáil, a principal força de oposição na legislatura anterior. Estes dois partidos têm governado o país, alternadamente, no último século. Embora os resultados finais ainda não sejam conhecidos, a ascensão do Sinn Féin parece mostrar um cansaço do eleitorado face aos partidos ‘tradicionais’ e uma revolta em relação ao aumento do custo de vida e ao estado dos serviços públicos, segundo o The Guardian.

Mary Lou McDonald afirmou ainda que já falou com os Verdes e outros pequenos partidos de esquerda para a formação de uma coligação sem o Fine Gael e o Fianna Fáil. Ainda assim, não descartou a possibilidade de se juntar a estes dois partidos. Segundo o The Guardian, a primeira opção é improvável sem o apoio de um dos partidos do ‘centrão’; a segunda opção também não é de esperar uma vez que os representantes de ambos os partidos já excluíram a possibilidade de formar uma coligação com o Sinn Féin, justificando com razões “éticas e políticas”. É, por isso, ainda incerto que partidos conseguirão formar uma coligação viável. Se este impasse se mantiver, podem mesmo ser convocadas novas eleições.

Há, porém, membros do Fianna Fáil que, segundo o jornal britânico, prefeririam firmar um acordo com o Sinn Féin em vez de outros aliados centristas. Durante a campanha, o Sinn Féin apelou ao eleitorado mais jovem, criticando a subida dos preços rendas e do número de sem-abrigo, ou as longas listas de espera nos hospitais.

Devido ao peculiar sistema eleitoral irlandês, este domingo o país ainda contava votos, e pode demorar alguns dias até que todos os mandatos estejam atribuídos no Parlamento.