O presidente da Câmara Municipal do Porto lamentou esta quinta-feira a demissão da escritora Regina Guimarães do Conselho Municipal de Cultura porque “vai fazer falta” e acrescentou que nunca lhe pediu quando a convidou que “avalizasse fosse o que fosse”.

Lamento, por isso, que apresente a demissão do Conselho [Municipal de Cultura]. Vai-nos fazer falta. Tenho pena que não me tenha escrito, ou telefonado, e pedido que agendasse um conselho para tratar deste ou daquele assunto. A Regina foi sempre muito interventiva nas sessões em que participou e sabe bem que nunca, por um momento que fosse, lhe limitei a liberdade. Nunca a censurei, nunca a condicionei”, diz o autarca na missiva.

“Compreenderá que não me sinta, eu próprio, condicionado por uma narrativa que, desculpe, pode ter utilidade política mas não corresponde à realidade”, acrescenta o independente Rui Moreira, numa carta endereçada a Regina Guimarães e a que a Lusa teve acesso.

A escritora Regina Guimarães demitiu-se do Conselho Municipal de Cultura da Câmara do Porto, por considerar que este órgão nada fez quanto a uma acusação de censura feita no início do mês contra a direção do Teatro Municipal do Porto (TMP).

A decisão tem a ver com os acontecimentos recentes, com a questão da censura, com o facto de que o próprio conselho parece não ter julgado prioritário reunir-se por uma coisa destas. Não estou lá a fazer nada porque o que a mim parece essencial, não parece essencial ao Conselho. Há aqui uma dessemelhança de conceções do mundo”, referiu, em declarações à agência Lusa, Regina Guimarães.

No dia 3 de fevereiro, Regina Guimarães acusou a direção do Teatro Municipal do Porto (TMP) de ter censurado um texto da sua autoria no qual criticava a noção de cidade líquida de Paulo Cunha e Silva, ex-vereador que morreu em 2015.

O texto foi escrito para integrar a folha de sala – que não chegou a existir – do espetáculo TURISMO, da Companhia A Turma, com texto original e encenação de Tiago Correia que subiu ao palco nos dias 31 de janeiro e 01 de fevereiro no Teatro do Campo Alegre, no Porto.

Posteriormente, a 10 de fevereiro, o presidente da Câmara do Porto reiterou a sua total confiança no diretor do TMP, que tinha sido acusado de censurar o texto de Regina Guimarães, sublinhando que sempre entendeu que o texto devia ter sido publicado.

O voto de confiança de Rui Moreira, que acumula o pelouro da Cultura desde que Paulo Cunha e Silva morreu em 2015, foi anunciado no início de uma reunião de executivo municipal, depois de um encontro informal e privado onde foi ouvido o diretor do TMP, Tiago Guedes.

Entretanto, Regina Guimarães tinha referido, a 6 de fevereiro, num artigo de opinião do Público, que ponderava a saída deste órgão consultivo da Câmara Municipal do Porto. “Resta-me ponderar se fará sentido eu permanecer ativa num órgão onde há quem considere indesejável o meu modo de pensar e opinar”, escreveu a escritora que hoje, em declarações à Lusa, confirmou ter tomado a decisão e tê-la transmitido por carta a Rui Moreira.

Regina Guimarães frisou que o órgão ao qual até agora pertencia “não é um órgão decisório”, mas considerou que se este “não produz pensamento sobre liberdade não está a fazer nada, está apenas a avalizar a política cultural municipal”. “Os órgãos eleitos são eleitos em eleições e não precisam de um enfeite que é por na lapela, um conselho municipal onde não se discute o que é importante”, sublinhou Regina Guimarães.