Num bilhete enviado a Ana Gomes, o hacker português Rui Pinto admite que voltaria a denunciar crimes de corrupção como o caso “Luanda Leaks”, apesar da “primitiva perseguição de que os denunciantes são alvo em Portugal”.

A propósito da conferência europeia “High-Level Policy Dialogue on Corruption in Sports Governance” em Florença, que entretanto foi adiada devido ao surto do novo coronavírus, Ana Gomes pediu a Rui Pinto que escrevesse uma mensagem para ler em seu nome no evento que estava marcado para esta quinta-feira. A diplomata partilhou o bilhete escrito pelo hacker português na rede social Twitter.

“O Luanda Leaks é o exemplo mais recente de que os denunciantes e o jornalismo de investigação são essenciais para a nossa democracia”, pode ler-se no bilhete. Rui Pinto acusa as autoridades judiciárias e de regulação de ignorarem os “constantes alertas de que Portugal se tornara numa plataforma de lavagem de dinheiro da cleptocracia angolana” e afirma que fez o seu “dever” como cidadão ao expor estes crimes.