O Grande Auditório da Fundação Gulbenkian continua fechado, mas o Coro Gulbenkian não perdeu a voz. De modo a assinalar o 25 de Abril, o coralista Miguel Jesus inspirou-se num poema de Sophia de Mello Breyner Andresen, “Liberdade II”, para compor uma peça que foi interpretada pelas 36 vozes do coro a partir de casa.

O vídeo da interpretação já se encontra online e pode vê-lo em baixo:

“Liberdade II” é um dos poemas que compõem a obra Mar Novo, publicada em 1958. Mas o poema mais famoso de Sophia de Mellho Breyner sobre este tema é talvez o que escreveu a propósito 25 de Abril, intitulado precisamente “25 de Abril”:

“Esta é a madrugada que eu esperava
O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo”

Esta é, segundo a Gulbenkian, “uma forma diferente de celebrar esse ‘dia inicial inteiro e limpo’, como lhe chamou a poeta, até voltarmos a estar todos juntos no Grande Auditório”. A iniciativa surge depois de 32 músicos da Orquestra Gulbenkian terem interpretado, no início do mês, também a partir de casa um excerto da Sinfonia n.º 4 de Mozart.