É oficial: a Federação Portuguesa de Futebol anunciou esta terça-feira que renovou contrato com Fernando Santos, técnico com mais vitórias por Portugal, por mais quatro anos, ficando assim o selecionador vinculado até 2024.

Fernando Santos: “Quando perco, nem os cães se aproximam de mim”

Desta forma, Fernando Santos, que conquistou o primeiro Europeu sénior de sempre da Seleção em 2016 e que ganhou também a primeira edição de sempre da Liga das Nações em 2019, vai não só comandar Portugal na fase final do próximo Europeu, em 2021, bem como nas qualificações para o Mundial de 2022, a Liga das Nações de 2023 e o Campeonato da Europa de 2024. Com este prolongamento do vínculo, o antigo treinador de FC Porto, Sporting e Benfica, entre outros, será o segundo selecionador com mais tempo no cargo de sempre, só superado por Cândido de Oliveira em três momentos nas décadas de 20 a 50 (1926-1929, 1935-1945 e 1952-53).

Histórico. Portugal é campeão da Europa pela primeira vez

“Esta decisão foi muito fácil na medida em que estamos a renovar o contrato de um selecionador que é campeão europeu. Esta decisão é tomada em função do que foram as nossas conversas e do momento em que estamos. Havia um processo eleitoral [para os órgãos sociais da FPF] e hoje temos a certeza que iremos ficar os quatro anos porque só há uma lista candidata, o que nos dá a capacidade e a possibilidade de celebrar esse contrato para os próximos quatro anos”, começou por referir Fernando Gomes, presidente da Federação, ao site da FPF.

Fernando Gomes e Fernando Santos com os dois troféus conquistados: o Europeu de 2016 e a Liga das Nações de 2019

“Quando, em 2014, assinámos o contrato para estabelecer a relação com o Fernando Santos, disse que era um lugar que ele desejava, que queria muito. Passados seis anos e depois de tudo aquilo que passámos em conjunto, acho que este é um lugar que o Fernando Santos merece por aquilo que deu à Seleção e ao futebol português. Todos estes resultados, independentemente do excelente trabalho realizado ao longo destes seis anos, dão-nos essa garantia de ser [uma decisão] extremamente fácil e merecedora deste novo acordo”, acrescentou o líder do órgão.

Liga das Nações. Pensada por um português, organizada em Portugal e a colocar o Engenheiro no topo da história

“Essencialmente, é um grande privilégio, para mim e para a minha equipa técnica, continuarmos este trajeto que iniciámos muito pela força, pela vontade e pela determinação do presidente [Fernando Gomes]. Para nós é um privilégio servir Portugal e o futebol português, é isso que vamos procurar continuar a fazer na mesma medida em que o temos feito, sempre com uma ambição, que é ganhar. Desde que chegámos foi a isso que nos propusemos. Sabemos que não vamos poder ganhar tudo, seguramente, mas lutar para ganhar tudo. Nesse contexto, é também para mim uma honra pessoal estar com o presidente até ao fim do seu mandato. Será também, se calhar, o fim do meu. Foram seis anos de grande sucesso, isso ninguém pode contrariar. Um sucesso inequívoco para a Federação Portuguesa de Futebol no seu todo”, comentou Fernando Santos após a renovação.

“A única coisa com a qual não sou capaz de conviver é com falta de profissionalismo”. Fernando Santos nos “Imperdíveis”