Um busto do fundador do escutismo, Baden-Powell, instalado numa rotunda de Coimbra foi este sábado decepado, denunciou o núcleo regional do Corpo Nacional de Escutas (CNE), que repudiou aquela vandalização.

Em nota enviada à agência Lusa, o Núcleo Centro-Norte da Região de Coimbra do CNE sustenta que a vandalização do busto em pedra calcária ocorreu na madrugada deste sábado, numa rotunda localizada na zona de Santa Clara.

“Os atos de manifestação não se realizam com vandalismo. Qualquer tipo de manifestação tem que ser ordeira, sob pena de perder toda a credibilidade”, refere o comunicado dos Corpo Nacional de Escutas, assinado pelo chefe de núcleo, Frederico Marques dos Santos.

“Uma sociedade civilizada não se coaduna com este tipo de práticas. Não vivemos numa anarquia. Não temos a capacidade nem o direito de ‘apagar’ o passado. Mas, somos todos responsáveis por ‘escrever’ o presente”, acrescenta o comunicado.

De acordo com informação publicada na página internet da Direção-Regional de Cultura do Centro, o busto de Robert Baden-Powell, fundador mundial do escutismo, foi inaugurado em julho de 2004 numa iniciativa da Câmara Municipal de Coimbra, Junta de freguesia de Santa Clara e Agrupamento 162 do CNE.

O monumento, em pedra calcária e de arte contemporânea, é da autoria do escultor Armando Martinez.

Autarquia vai repor busto e considera ato de vandalismo “inaceitável”

O presidente da câmara municipal de Coimbra, Manuel Machado, prometeu entretanto que a autarquia vai repor o busto do fundador do escutismo, Baden-Powell, na sequência da vandalização ocorrida na última madrugada e que considerou “absolutamente inaceitável”.

“É puro vandalismo e só pode resultar de quem tem falta de princípios civilizacionais, falta de compreensão do que é diferente e dos que são diferentes. Coimbra é uma cidade de tolerância, onde ao longo dos tempos e ao longo de sucessivas gerações houve a capacidade de compreender a história, a civilização, o passado, o presente e o futuro”, declarou o autarca, numa nota de imprensa hoje divulgada.

A autarquia prometeu já a reposição do busto em pedra calcária numa rotunda da freguesia de Santa Clara, através da encomenda ao escultor da peça original, Armando Martinez, “para que não haja medo de encarar a história”, além da apresentação de uma queixa junto das autoridades.

Reconhecendo que Baden-Powell “teve características boas e defeitos, como qualquer ser humano”, Manuel Machado vincou que “Coimbra é uma cidade de tolerância” e que esta ocorrência marca uma “falta de respeito pela civilização”.

Também a junta regional de Coimbra do Corpo Nacional de Escutas (CNE) expressou em comunicado a sua “indignação para com a vilania cometida”, em que o busto de Baden-Powell foi decepado.

O CNE também reportou a situação à Organização Mundial do Movimento Escutista (OMME), que, por sua vez, já havia repudiado atos similares no Reino Unido.

“Baden-Powell viveu numa era diferente e dentro de realidades diferentes. Hoje, o Movimento que ele fundou inclui mais de 54 milhões de escuteiros em 224 países e territórios, promovendo a tolerância e solidariedade em todo o mundo. O escutismo oferece um ambiente inclusivo para reunir jovens de todas as raças, culturas e religiões e cria oportunidades de diálogo sobre como promover a paz, a justiça e a igualdade”, frisou a OMME.

De acordo com informação publicada na página internet da Direção-Regional de Cultura do Centro, o busto de Robert Baden-Powell, fundador mundial do escutismo, foi inaugurado em julho de 2004 numa iniciativa da Câmara Municipal de Coimbra, Junta de freguesia de Santa Clara e Agrupamento 162 do CNE.

(Artigo atualizado com declarações do presidente da câmara municipal de Coimbra, Manuel Machado)