Os índices mais emblemáticos da praça nova-iorquina encerraram esta quarta-feira com balanços diferentes, com o Dow Jones em baixa, depois de um início de semana fulgurante, e o Nasdaq a estabelecer um novo recorde.

Os resultados definitivos da sessão indicam que o seletivo Dow Jones Industrial Average cedeu 0,30%, para os 25.734,97 pontos.

Em sentido inverso, o tecnológico Nasdaq fechou em alta de 0,95%, em inéditas 10.154,63 unidades, e o alargado S&P500 valorizou 0,50%, para as 3.115,86.

Os investidores tiveram conhecimento durante a sessão de um relatório da firma de serviços às empresas ADP que avança a criação de 2,4 milhões de empregos nos EUA em junho. Este número é inferior às expectativas, que eram de 3,75 milhões, e também em relação aos criados em maio, que foram 3,07 milhões.

Entretanto, a atividade do setor industrial nos EUA recuperou claramente em junho, depois de ter colapsado por causa da pandemia, segundo o índice dos diretores de compras da associação ISM.

Na frente sanitária, o laboratório farmacêutico norte-americano Pfizer publicou resultados considerados encorajadores de um ensaio clínico ainda em fase inicial de uma vacina contra o novo coronavírus. O título do grupo fechou a ganhar 3,18%.

Nas atas da última reunião sobre política monetária da Reserva Federal, divulgadas esta quarta-feira, está patente a preocupação com a situação económica e a expectativa de a recuperação da economia dos EUA ir levar tempo.

“Isto conteve um pouco os investidores”, considerou Peter Cardillo, da Spartan Capital Securities, que recordou que o aumento dos casos de infeções com o novo coronavírus em vários estados norte-americanos é o principal motivo de inquietação para os investidores.

“Estamos a observar níveis difíceis de justificar, dadas as possíveis consequências económicas” da pandemia, reforçou Chris Low, da FHN Financial. “Mas também é complicado apostar contra o mercado”, relativizou.

Na terça-feira, Wall Street concluiu o seu melhor trimestre desde há mais de duas décadas.