Numa altura em que Reguengos de Monsaraz regista 166 casos de infeção e 12 óbitos — um surto que começou num lar de terceira idade —, António Lacerda Sales é perentório: “Não equacionamos fechar Reguengos de Monsaraz.” Foi desta forma que o secretário de Estado da Saúde respondeu à questão dos jornalistas sobre o surto naquele concelho do Alentejo.

“Estamos a mobilizar meios. Não se equacionam pedidos de ajuda externa, temos meios no país para dar resposta não só aos surtos no Alentejo, como aos surtos de outras regiões do país, respeitando os direitos dos profissionais que também precisam do seu período de descanso”, disse esta segunda-feira na habitual conferência de imprensa aos jornalistas.

Já em Lisboa e Vale do Tejo os números mostram “estabilidade com ligeira tendência decrescente”. “É sempre um sinal de esperança para nós, mas também de grande cautela. Estamos numa fase de planaltos sucessivos”, comentou ainda Lacerda Sales, referindo que o objetivo do Governo “é que não haja nenhuma zona do país em situação diferenciada.” “Se surgir algo que não esteja previsto, tomaremos, como sempre temos tomado, as medidas adequadas e proporcionais.”

Até ao momento, Portugal já fez 1 milhão e 300 mil testes, sendo que atualmente existem 94 laboratórios aptos para o efeito, entre laboratórios do SNS, de iniciativa privada e até da academia.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.