Um empresário do ramo de comércio foi raptado na noite de sábado próximo à sua residência, na cidade da Beira, no centro de Moçambique, disse esta segunda-feira à Lusa fonte da polícia moçambicana.

Rajiv Nitin, de 35 anos, foi raptado por volta das 18h locais (17h em Lisboa), no bairro Maquinino, nas proximidades da sua residência, disse Dércio Chacate, porta-voz da Polícia da República de Moçambique (PRM) em Sofala.

O empresário, que estava acompanhado pela mulher, terá sido interpelado por quatro pessoas após estacionar o seu veículo no prédio em que vive, tendo sido ameaçado e obrigado a entrar numa outra viatura que estava no local, segundo a polícia moçambicana.

“Além de raptar [o homem], eles levaram a bolsa da esposa, que assistiu a tudo”, acrescentou o porta-voz.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Segundo a polícia, os raptores, que se supõe que aguardavam pela vítima no local, terão usado instrumentos contundentes e uma arma para ameaçar o empresário. A polícia avançou que já decorrem investigações sobre o caso e que estão a “passos avançados”, num trabalho coordenado pelo Serviço Nacional de Investigação Criminal (Sernic).

“Os trabalhos decorrem visando neutralizar os indivíduos, recuperar a vítima e apreender a arma e viatura na posse deles”, referiu Dércio Chacate.

Desde o início de 2020, as autoridades moçambicanas registaram um total de nove raptos, cujas vítimas são sempre empresários ou seus familiares. Dos casos registados este ano, duas vítimas foram resgatadas pelas autoridades em Maputo, havendo também uma terceira vítima que foi libertada em condições ainda por esclarecer.

Entre os empresários que a polícia resgatou destaca-se o filantropo indiano Rizwan Adatia, que esteve 21 dias em cativeiro no distrito de Boane, sul de Moçambique.