O Hospital de S. João, no Porto, garantiu esta quarta-feira, em comunicado, que durante os meses de março a agosto, as obras da nova ala pediátrica “nunca foram suspensas”. “Os trabalhos, apesar dos constrangimentos existentes no hospital devido ao plano de contingência Covid-19, estão a decorrer de forma planeada e a bom ritmo, com o objetivo claro de que em meados de 2021 esteja concluída.”

Segundo o mesmo comunicado, a obra implica várias mudanças. “As intervenções e mudanças da obra são de elevada complexidade, já que correspondem a áreas de enorme dimensão e com exigências únicas, com muitas movimentações de pessoal, materiais e equipamentos, próximas de locais complexos de trabalho hospitalar, nomeadamente de três serviços de urgência (adultos, pediatria e obstetrícia/ginecologia), que vão continuar a funcionar na prestação de cuidados de saúde.”

Ala pediátrica do São João. Hospital quer “transparência” e divulga relatórios semanais sobre a obra

Em fevereiro, numa visita à empreitada, o presidente do Conselho de Administração do Hospital, Fernando Araújo, apontou a conclusão da obra para o primeiro semestre de 2021. A construção, orçada em mais de 25 milhões de euros, arrancou a 1 de outubro de 2019. A ala pediátrica, que ficará integrada no edifício principal, terá cinco pisos e mais dois subterrâneos, com capacidade para 98 camas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em julho do mesmo ano, o S. João acabou com o internamento de crianças em 36 contentores, provisórios durante cerca de 10 anos, com a deslocação dos doentes para camas pediátricas no edifício principal do hospital. A mudança foi possível com a utilização de espaços deixados livres com a relocalização de outros serviços.

Em novembro de 2018, pais e mães de crianças internadas alertaram para os contentores “indignos e desumanos” do internamento pediátrico daquele hospital, descrevendo “quartos minúsculos sem janelas”, “cartão a tapar buracos na parede”, portas vedadas com “adesivo do hospital” e “uma sanita e duche para os 40 ou 50 pais”. Nesse mesmo mês, o Parlamento aprovou por unanimidade, a proposta de alteração do PS ao Orçamento do Estado para prever o ajuste direto para a construção da ala pediátrica.