Ao segundo dia, a preocupação com a pandemia aterrou na Convenção do Chega em Évora. A tenda onde têm decorrido os trabalhos do partido liderado por André Ventura tem cerca de 400 pessoas sentadas, sem distanciamento físico, mas ao contrário do que aconteceu no sábado, já existem avisos e um segurança a garantir que quem está tem máscara colocada. O presidente do partido só hoje surgiu com máscara. No recinto está a GNR a identificar quem não tem máscara posta e vai ficar até a Convenção terminar. A ação foi decidida pela própria GNR.

Os militares à civil estão a percorrer a sala e a monitorizar quem viola a regra da máscara, reencaminhando as pessoas para o exterior da sala para recolha de dados pessoais. Fonte da GNR não quis dizer quantos elementos tem nesta ação, mas o Observador identificou pelo menos três. Um dos militantes identificado confirmou que isso aconteceu por não ter máscara colocada, que teve de avançar os seus dados pessoais e que terá ainda de se apresentar no posto da GNR da sua área de residência.

No início deste segundo dia de Convenção, Nélson Dias da Silva, vice-presidente da Mesa da Convenção, foi ao palco para avisar os presentes que deviam manter o distanciamento e a máscara colocada. JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Uma fonte oficial da GNR confirmou ainda ao Observador que foi iniciativa desta força de segurança fazer esta ação e que estão no terreno para assegurar o cumprimento das regras de segurança e higiene da DGS. A mesma fonte classifica o ato como “ação de rotina, não ao Chega mas aplicável a qualquer iniciativa que exija o cumprimento destas regras.”

Uma diferença de 180 graus face ao que aconteceu no dia anterior. André Ventura nunca esteve com máscara e sempre que se deslocou pelo recinto da Convenção não se coibiu de distribuir apertos de mãos e até beijos a militantes do partido com quem se ia cruzando. Estes momentos foram testemunhados pelo Observador quando esteve em reportagem com o líder do Chega durante a tarde de sábado.

Ventura, os seus mártires e a missão da “conversão política”. Meia hora no refúgio privado do líder do Chega

Mas esta manhã, mal começaram os trabalhos e quando ainda se contavam os votos para os órgãos de direção do partido, Nélson Dias da Silva, vice-presidente da Mesa da Convenção, foi ao palco para avisar os presentes que deviam manter o distanciamento e a máscara colocada. E seguranças começaram a fazer a volta para chamar a atenção de quem não colocava a proteção. Nunca, ao longo do primeiro dia da Convenção, houve qualquer aviso deste género na Convenção que à porta tem um termómetro e um dispensador de álcool gel que o líder do partido, por exemplo, não tem usado quando entra e sai da tenda da Convenção.

Mas foi o próprio vice da Mesa que assumiu, este domingo, ao microfone, existir um plano de contingência definido pela DGS para o evento, pedindo a quem estava presente na sala para colocar máscara e tentar manter o distanciamento.

As orientações da DGS passam pelo cumprimento da regra de distanciamento físicos, etiqueta respiratória, uso de máscaras ou viseira, lavagem de mãos ou desinfeção, circuitos de circulação para impedir ajuntamentos.

Este domingo, o Observador questionou Nuno Afonso, vice-presidente do partido, sobre esta mudança de posição, e a resposta foi que a medida estava a ser tomada este domingo — e não tinha surgido no dia anterior — porque “se calhar hoje [domingo] há mais pessoas sem máscara”.

Nuno Afonso não sabe quantos participantes no evento do Chega foram identificados, mas garante a preocupação com a pandemia e que foi enviado um plano para a Direção Geral de Saúde: “Fico sempre preocupado quando há possibilidade de alguém ficar doente”. Quanto ao plano sanitário, diz que “costuma ser pedido para todos os eventos que o partido tem feito”. E usa a ironia quando questionado sobre o incumprimento das regras de distanciamento dentro da Convenção: “Não truxe a fita métrica. Mas fui lá dentro fazer o apelo e vim cá para fora”.

Também garante que no sábado “foram feitos vários pedidos” e que um segurança lhe pediu para pôr a máscara nesse primeiro dia de trabalhos. Nuno Afonso considera que “dentro do que é possível” o Chega tem cumprido as regras e atira: “Temos menos pessoas aqui do que no Avante”.