A Câmara de Vila Verde vai manter em 2021 os preços dos Serviços de Água, Saneamento e Resíduos, justificando a decisão com o “agravamento do desemprego e das dificuldades sociais” provocados pela “atual conjuntura de pandemia”.

Em comunicado, aquela autarquia do distrito de Braga explica esta terça-feira que a decisão de não realizar “o ciclo anual de atualização tarifária” naqueles serviços “é fundamental para proteger as famílias, as instituições e as empresas, principalmente aquelas que se encontram numa situação de maior vulnerabilidade”.

Com a decisão, aprovada em reunião de câmara, “o executivo municipal está também a absorver o aumento das Taxas de Gestão de Resíduos (TGR) e de Recursos Hídricos (TRH) que constituem uma receita que reverte para o governo central, à custa do orçamento municipal”.

A autarquia aponta ainda como “firme propósito” manter em 2021 a isenção do pagamento das tarifas de ligação e de execução para os ramais de água e saneamento, em todos os novos ramais, bem como a todas as famílias cujo rendimento mensal ‘per capita’ seja igual ou inferior a metade do salário mínimo nacional.

“O município de Vila Verde não pode, em circunstância alguma, deixar de se mostrar sensível aos sérios problemas sociais e económicos que a pandemia está a provocar e que, infelizmente, tenderão a acentuar-se nos próprios tempos e a afetar sobretudo as famílias mais carenciadas”, afirma no texto o vereador da Câmara Municipal de Vila Verde do Ambiente, e Atividades Económicas, Patrício Araújo.

O responsável deixa ainda um apelo ao Governo: “Bom seria que acompanhasse as intenções do município e demonstrasse também a mesma sensibilidade social não procedendo à atualização das Taxas de Gestão de Resíduos e de Recursos Hídricos e ajudando assim os municípios na implementação de medidas amigas das famílias, das empresas e das instituições concelhias”.