A Vodafone Portugal e a NOS assinaram esta quinta-feira um “acordo histórico” para a partilha de ativos móveis de abrangência nacional, que vai permitir um desenvolvimento mais rápido e eficiente das redes móveis, anunciou a empresa.

Em comunicado, a Vodafone Portugal adianta que as duas empresas, assente num modelo de investimento sustentável, “vão, assim, ter condições para aumentar a cobertura de rede móvel e a qualidade dos seus serviços, de forma a promover uma maior coesão territorial, responder às necessidades reais e diferenciadas das populações, e dar resposta aos desafios que a atual conjuntura social e económica coloca”.

De acordo com a nota, o acordo “assenta no princípio de partilha de ativos de rede por parte dos operadores envolvidos, não deixando a Vodafone e a NOS de garantir e sublinhar a total independência na definição e prestação dos serviços aos seus clientes finais, mantendo sempre o controlo estratégico de cada uma das redes”.

Este acordo acontece num período especialmente crítico para o país e desafiador para o setor. Crítico porque a resiliência da economia e da sociedade em geral coloca pressão acrescida sobre as redes de telecomunicações. Desafiador pela dimensão e premência dos investimentos que são exigidos aos operadores”.

Mário Vaz, CEO da Vodafone, destaca que “a par da manutenção de uma estratégia de prestação de serviços de qualidade e promotores da coesão territorial e social com benefícios para os nossos clientes e para o país, exigem-se investimentos eficientes, sustentáveis e ecologicamente responsáveis”.

É nesta perspetiva que o presente acordo visa fortalecer a plataforma tecnológica a partir da qual são prestados serviços essenciais à vida quotidiana, potenciando-se ainda o lançamento de serviços inovadores, capazes de melhorar a qualidade de vida dos portugueses e/ou tornar modelos de negócio mais competitivos, acelerando a necessária transição digital do País”.

O CEO da Vodafone refere ainda que “a partilha de redes nos moldes agora definidos responde positivamente aos desafios do atual contexto, oferecendo inegáveis vantagens na redução de impactos ambientais e dos custos de implantação e desenvolvimento, permitindo mais investimento em serviços de qualidade para todos os clientes”.