Durante a confusão e o clima de tensão que se viveu na tribuna do Estádio Magalhães Pessoa, em Leiria, António Salvador ia olhando para o que se passava sem grande movimentações e terminou, pelo menos até as imagens em direto da SportTV mostrarem o que acontecia no local, a falar com a diretora executiva da Liga e coordenadora da competição, Sónia Carneiro. No final, e em conferência de imprensa, o presidente do Sp. Braga começaria por relativizar o sucedido antes de acusar os dirigentes do Sporting de não saberem ganhar mas essa não foi a única “farpa” do líder dos minhotos ao clube leonino, com quem tem mantido relações tensas nos últimos anos.

Pedro, o espanhol dos calções rotos que se tornou o modelo do Sporting (a crónica da final da Taça da Liga)

“Estou aqui porque o meu treinador não pode estar cá. Como sabem, foi expulso e, conforme os regulamentos, não pode vir à sala de imprensa”, começou por referir, numa espécie de introdução para estar presente no local.

Segurança teve de ser chamada após final com ânimos exaltados na tribuna (e Proença a tentar acalmar)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Quero antes de mais dar os parabéns aos jogadores do Sp. Braga pelo grande jogo que fizeram, pelo seu carácter e pelo trabalho que fizeram. Estiveram em campo duas grandes equipas e, como viram, tudo fizemos para vencer este jogo. Em função do campo impraticável na primeira parte, que depois melhorou porque parou de chover, sabíamos que este era um jogo decidido no detalhe. Pena é que o jogo não fosse decidido no detalhe das equipas mas num detalhe da equipa de arbitragem. O golo começou numa falta que não existe. Se fosse falta, era ao contrário”, analisou, a propósito do lance entre Al Musrati e João Palhinha ainda no meio-campo verde e branco.

Golo nasce de falta que não existe? Coates faz penálti? Fransérgio e Matheus Nunes deviam ter sido expulsos? Os 11 casos da final

As críticas ao trabalho de Tiago Martins, essas, não terminariam nesse momento. “Como é possível, numa final, uma equipa de arbitragem expulsar os treinadores sem, sequer, os advertir? É de um tom inacreditável chegar ao banco, sem que sequer haja uma advertência. Mas eu grande satisfação ver um clube como o Sporting a vibrar tanto com uma vitória sobre o Sp. Braga. Mostra que, às vezes, eles sentem-se pequenos ao lado do nosso clube”, atirou, apontando aos leões pela forma como efusiva como celebraram a conquista da Taça da Liga.

“O que se passou na tribuna presidencial? Não foi nada de mais. Todos nós nos clubes temos de saber perder e saber ganhar. É nos momentos assim que temos de saber ganhar. Quando assim não é, as coisas não correm muito bem.. Mas é um assunto ultrapassado. Parabéns aos jogadores e treinadores do Sp. Braga”, concluiu.

Antes, na zona de entrevistas rápidas, o capitão Fransérgio também tinha criticado os leões pelo comportamento que tiveram… dentro de campo. “Houve um erro nosso, um detalhe, a equipa deles conseguiu fazer o golo e depois amarrou o jogo. Parabéns ao Sp. Braga pela luta e pela determinação do começo ao fim. Quisemos jogar mas o Sporting parava o jogo, o guarda-redes demorava e o árbitro deixava… Mas vamos fazer o quê? É o nosso futebol português. Tivemos capacidade para tentar buscar o resultado mas não conseguimos”, salientou.