Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O presidente do comité olímpico de Tóquio2020 anunciou esta quinta-feira a sua demissão do cargo, depois de na semana passada ter tecido comentários ofensivos sobre as mulheres durante uma reunião aberta à imprensa.

Nessa ocasião, Yoshiro Mori considerou que as reuniões com muitas mulheres tinham tendência a estender-se porque elas falavam muito e tinham dificuldade em ser concisas.

“As reuniões dos conselhos de administração com a presença de muitas mulheres demoram demasiado tempo. Se for aumentado o número de membros femininos e o tempo de intervenção não for limitado, será mais difícil concluí-las, o que é irritante”, alegou.

O responsável máximo do comité organizador da próxima edição dos Jogos Olímpicos, adiada para 2021 devido à pandemia de Covid-19, acabou depois por pedir desculpas pelas declarações no dia seguinte.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Reconheço que os comentários durante a reunião com o Comité Olímpico do Japão foram contrários ao espírito olímpico. Lamento”, declarou Mori na passada quinta-feira.

Apesar do pedido de desculpa, os comentários levaram a uma chuva de críticas nas redes sociais, com apelos à demissão de Mori, acusando-o de discriminar as mulheres. Também alguns patrocinadores da competição, incluindo a Toyota, se manifestaram contra o antigo primeiro-ministro japonês.

Num primeiro momento, Mori recusou abandonar o cargo, por causa da polémica, mas acrescentou: “Se todos me disserem que estou a incomodar, então deverei pensar nisso”.

Situação que veio agora confirmar-se. Yoshiro Mori deverá abandonar o cargo oficialmente numa reunião especial do comité olímpico agendada para esta sexta-feira.