Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Banco Montepio terminou o exercício de 2020 com prejuízos de mais de 80 milhões (80,7 milhões), informou o banco em comunicado enviado à CMVM esta sexta-feira. Estes são resultados, diz o banco, que foram penalizados pelo “impacto desfavorável induzido pela pandemia do Covid-19 materializada, principalmente, no reforço da imparidade para riscos de crédito“, no valor de 77,5 milhões de euros (41% do total de 185 milhões registado em imparidades neste exercício).

Por outro lado, o banco indica que o exercício também foi prejudicado pelos custos não recorrentes relacionados com o plano de ajustamento em curso, de 35,1 milhões de euros, incluindo pagamento de reformas antecipadas e acordos de rescisão com trabalhadores do âmbito do profundo ajustamento em curso.

“Em resultado do programa de rescisões por mútuo acordo e reformas antecipadas, a que acrescem as reformas por limite de idade, o número de colaboradores reduziu-se em 241“, informa o banco.

O Banco Montepio indica, também, que, “ao abrigo do regime especial de auxílio proporcionado às famílias e às empresas, o Grupo Banco Montepio, assumindo o seu compromisso social, concedeu 38 mil moratórias que totalizaram 3,2 mil milhões de euros com referência a 31 de dezembro de 2020″.

Apesar dos prejuízos, a instituição destaca que o crédito a clientes (bruto) cresceu e “fixou-se em 12.357 milhões de euros 2020, marcando a inversão da tendência decrescente observada nos últimos anos, o que traduz o compromisso do Banco Montepio no apoio às famílias, às empresas e às entidades da economia social”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR