Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O novo Captur tem sido uma caixinha de surpresas, que se abre pouco a pouco. Depois de revelada a nova geração do popular crossover, foi a vez de introduzir na gama uma alternativa híbrida plug-in, com as vantagens daí advenientes em termos de benefícios fiscais e de consumos, se recarregada a bateria. Agora, o construtor gaulês anuncia que a oferta do Captur vai ser reforçada em Maio com o lançamento da linha R.S. Line, que se traduz em detalhes mais desportivos no exterior e interior.

Disponível nas motorizações com caixa manual TCe 95 e TCe 140, além dos TCe 140 e TCe 160 equipados com a caixa EDC de dupla embraiagem e patilhas no volante, a R.S. Line é proposta por valores que arrancam em 24.890€ e chega até ao topo de gama híbrido plug-in com 158 cv (35.940€). Este conjunto motopropulsor alia um quatro cilindros a gasolina com 91 cv e 144 Nm a dois motores eléctricos. Uma das unidades é de tracção (67 cv/49 kW) e a outra (34 cv/25 kW) funciona como gerador de corrente eléctrica (HSG), para os arranques e alimentação em modo EV. A bateria do sistema é de 10,4 kWh, permitindo percorrer até 50 km em modo zero emissões com a carga completa. Daí homologar um consumo de 1,4 l/100 km, de acordo com o protocolo europeu WLTP.

3 fotos

Esteticamente, as versões R.S. Line do Captur diferenciam-se pela carroçaria em dois tons e pelas aplicações metalizadas escurecidas, exibindo à frente uma protecção inferior inspirada no mundo da competição, enquanto na traseira sobressaem as protecções inferiores específicas e duas saídas de escape estilizadas. De perfil, o destaque vai para os logos identificativos da versão e para as jantes de 18 polegadas, com “corte em diamante” e exclusivas desta linha, o que é devidamente sinalizado pela inscrição “R.S. Line”.

Já no interior, o contraste negro e vermelho continua a ser a combinação preferida para evidenciar a imagem mais desportiva deste nível de equipamento. Daí o predomínio da cor preta no habitáculo, inclusivamente no forro do tejadilho, sendo que essa atmosfera “dark” é interrompida pelos detalhes a vermelho, dos pespontos às listas nos bancos, passando pela linha horizontal no topo de todas as saídas de ventilação que integram a parte superior do tablier. A isto acresce a assinatura “Renault Sport” nas soleiras das portas e, claro, a pedaleira em alumínio, sem esquecer aplicações tipo carbono na consola e nos painéis das portas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Leia também: