456kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Aos 50 minutos, Darwin pôs as mãos à cabeça e foi a imagem de uma equipa inteira (a crónica do Farense-Benfica)

Este artigo tem mais de 1 ano

Darwin saiu no início da segunda parte: deu um pontapé numa garrafa, sentou-se com as mãos na cabeça e foi a imagem de uma equipa. Benfica criou muito mas não marcou e leva 6 empates em 9 jornadas.

O avançado uruguaio teve uma grande ocasião para marcar ainda na primeira parte
i

O avançado uruguaio teve uma grande ocasião para marcar ainda na primeira parte

André Vidigal / Global Imagens

O avançado uruguaio teve uma grande ocasião para marcar ainda na primeira parte

André Vidigal / Global Imagens

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A frase, que em agosto foi o grande cartão de apresentação da segunda vida de Jorge Jesus no Benfica, acabou por se tornar a memória de que as coisas não estão a correr como era esperado. “Não vamos jogar o dobro, vamos jogar o triplo”, disse o treinador no Seixal, finalizando o raciocínio com uma exclamação: “Vamos arrasar!”. De lá para cá, depois dos jogos menos conseguidos e antes dos jogos mais exigentes, a pergunta tem sido feita de forma recorrente a Jesus: onde está o tal Benfica que ia jogar o triplo e arrasar?

O treinador encarnado não tem fugido à questão. Tem explicado, obviamente, que a frase foi motivacional, que a ideia era agitar o grupo e unir desde logo os benfiquistas, tal como explicou logo nas respostas que deu durante a apresentação. Tem recordado o surto de Covid-19 que afetou o clube, desde o plantel até à equipa técnica e até ao presidente, e que abriu a porta a uma fase que significou a queda do Benfica para o quarto lugar da Liga. Mas este fim de semana, pela primeira vez, foi o próprio Jorge Jesus a recordar a frase — como forma de encontrar explicações para a contestação que tem surgido em relação a Luís Filipe Vieira e Rui Costa.

Ficha de jogo

Mostrar Esconder

Farense-Benfica, 0-0

20.ª jornada da Primeira Liga

Estádio de São Luís, em Faro

Árbitro: Hugo Miguel (AF Lisboa)

Farense: Defendi, Amine, Eduardo Mancha, Bura (Fabrício Isidoro, 83′), André Pinto, Fábio Nunes, Jonathan Lucca, Ryan Gauld, Licá, Madi Queta (Djalma, 70′), Pedro Henrique (Stojiljkovic, 90+2′)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Suplentes não utilizados: Hugo, Filipe Melo, Hugo Seco, Mansilla, Abner, Cássio Scheid

Treinador: Jorge Costa

Benfica: Helton Leite, Gilberto (Diogo Gonçalves, 53′), Otamendi, Vertonghen, Nuno Tavares (Grimaldo, 65′), Rafa, Gabriel (Pizzi, 65′), Taarabt, Everton (Cervi, 76′), Seferovic, Darwin (Waldschmidt, 53′)

Suplentes não utilizados: Vlachodimos, Lucas Veríssimo, Chiquinho, Pedrinho

Treinador: Jorge Jesus

Golos: nada a registar

Ação disciplinar: cartão amarelo a Gabriel (31′), a Pedro Henrique (86′), a Otamendi (89′), a Jonathan Lucca (90+6′)

“O que posso dizer é que aqui dentro da nossa casa, presidente, treinador, Rui [Costa] e jogadores estamos unidos, firmes e temos consciência que, neste momento, estamos a 13 pontos do primeiro. Sabemos o que nos aconteceu durante um mês e meio. Os adeptos, como é óbvio, querem ganhar, seja como for. Não importa o que tenha acontecido à equipa. Mas estamos conscientes de que temos uma segunda volta para melhorar porque hoje não temos esses problemas. As expectativas da minha chegada a Portugal foram altas. Lembro-me do que disse, que ia pôr o Benfica a jogar o dobro. Mas para isso tinha de os treinar. E durante dois meses não os pude treinar”, disse o técnico, na antevisão da visita ao Farense, deixando depois uma crítica às arbitragens relacionadas com as grandes penalidades.

“O Benfica é, das equipas que estão na frente, a única à 20.ª jornada que não tem uma grande penalidade. Não tenho falado nisso, toda a gente fala nisso, só o VAR é que não viu, penalidades a nosso favor que não são marcadas… Isso também são pontos. Há muitos ‘ses’ mas é factual o que nos tem acontecido”, acrescentou Jesus. Certo é que, este domingo, o contexto em que o Benfica estava inserido era quase impossível de antecipar em agosto, no dia da apresentação no Seixal. Os encarnados entravam para o jogo contra o Farense no quarto lugar, provisoriamente a 16 pontos da liderança, provisoriamente a cinco pontos da segunda posição e provisoriamente em igualdade pontual com o P. Ferreira, que horas antes tinha vencido o V. Guimarães.

Sem Weigl, que viu o quinto cartão amarelo contra o Moreirense e estava castigado, Jorge Jesus lançava Gabriel no meio-campo e regressava ao mais usual 4x4x2, depois de ter jogado com três centrais contra o Arsenal, na passada quinta-feira, na Liga Europa. Grimaldo era poupado e começava no banco, com Nuno Tavares a subir à titularidade na esquerda da defesa, e Gilberto voltava ao onze do outro lado. Pizzi e Waldschmidt opções iniciais a meio da semana, davam os lugares a Everton e Seferovic, com Rafa a regressar também à condição de titular. Os encarnados procuravam voltar às vitórias no Estádio de São Luís, depois do empate em Moreira de Cónegos na jornada anterior — a meio da tal eliminatória europeia com o Arsenal, que tem a segunda mão na próxima quinta-feira, o Benfica cruzava-se com um Farense que estava na penúltima posição da classificação e que mudou de treinador há menos de um mês, com Jorge Costa a substituir Sérgio Vieira.

No primeiro encontro entre as duas equipas no Algarve desde outubro de 2001, há quase 20 anos, o Benfica foi o primeiro a rematar, com Darwin a atirar um pontapé muito forte de fora de área que falhou por pouco a baliza de Defendi (8′). A partida arrancou de forma muito enérgica, quase em formato de pergunta-resposta, sem grandes paragens e com altos níveis competitivos de ambos os conjuntos. O Farense acabou por beneficiar da melhor oportunidade até então, com Pedro Henrique a ficar isolado na sequência de um passe de Lucca na profundidade; Helton Leite, com uma boa saída de entre os postes, evitou o golo dos algarvios (14′). Depois de cumprido o primeiro quarto de hora, porém, o Benfica acabou por conquistar algum ascendente no jogo — sem que os algarvios desistissem de tentar avançar sempre que encontravam espaços, principalmente em situações de transição rápida.

Os encarnados criaram inúmeras oportunidades mas falharam na eficácia: Everton permitiu a defesa de Defendi com um remate de fora de área (19′), Darwin atirou ao lado na sequência de uma combinação perfeita entre Gabriel e Nuno Tavares (25′), Rafa permitiu o desarme quando tinha tudo para visar a baliza dentro da área (36′) e Seferovic falhou a baliza depois de um desequilíbrio pela esquerda (37′). O Benfica atacava principalmente pelo corredor esquerdo, onde Nuno Tavares estava a atacar melhor do que a defender, e conseguia encontrar espaços entre linhas através das intervenções de Gabriel, Everton e Taarabt. Rafa, na direita, só desequilibrava com a bola no pé, algo que não acontecia muitas vezes, e continuava a ter muitos problemas na hora do último passe ou do último remate, como tem acontecido nos jogos mais recentes.

Ainda assim, e apesar de estar claramente por cima da partida e de acumular ocasiões para abrir o marcador, a equipa de Jorge Jesus cometia alguns erros na hora de posicionar os setores para defender transições rápidas do Farense e perdia algumas bolas na zona do meio-campo devido a passes errados e precipitados. Foi a partir dessas fragilidades que os algarvios acabaram por conseguir bater Helton Leite: Lucca, na direita, tirou um passe longo para o lado contrário; a bola pingou na grande área e Licá, que apareceu nas costas de Nuno Tavares sem que o lateral estivesse bem colocado, atirou de primeira para inaugurar o marcador (40′). O lance acabou por ser anulado por fora de jogo do avançado português mas era o exemplo daquilo que o Farense podia fazer ao aproveitar o espaço nas costas da defesa encarnada. Ainda antes do intervalo, para onde o jogo foi empatado e sem golos, Ryan Gauld atirou de fora de área e ficou perto de acertar com a baliza (45+2′).

[Carregue nas imagens para ver alguns dos melhores momentos do Farense-Benfica:]

Na segunda parte, Jorge Jesus não chegou a precisar de dez minutos para tomar as primeiras decisões. O treinador encarnado tirou Gilberto — que regressou de lesão e foi assim protegido — para lançar Diogo Gonçalves e também trocou Darwin por Waldschmidt: o avançado uruguaio saiu visivelmente desiludido com a própria exibição, pontapeou uma garrafa de água à saída e sentou-se no banco com as mãos na cabeça, sendo prontamente consolado por Jesus e por outro elemento da equipa técnica. As mudanças do técnico, porém, tinham uma justificação.

O Farense regressou bem do intervalo e estava a passar mais tempo no meio-campo adversário. O Benfica, que mesmo assim conseguia criar perigo sempre que acelerava em transições rápidas, falhava na definição e na finalização, tanto no último passe como no último remate. Os encarnados afunilavam demasiado o jogo, com todos os lances a fletirem para o corredor central e para espaços interiores, e não conquistavam a largura e os corredores, permitindo que os algarvios anulassem todas as investidas com o bloco defensivo bem organizado. A primeira vez que o Benfica conseguiu romper na segunda parte foi já depois da hora de jogo, com Rafa a desperdiçar novamente uma oportunidade ao permitir a defesa de Defendi depois de um passe de Seferovic (61′).

Logo depois, Jesus voltou a mexer. Entraram Grimaldo e Pizzi, saíram Nuno Tavares e Gabriel, com Taarabt a tornar-se o primeiro jogador logo depois dos centrais. O Benfica melhorou depois das substituições, com Pizzi a ter mais influência no ataque do que aquela que Taarabt tinha tido até então, e começou a encostar o Farense ao último terço. Pizzi ficou muito perto de abrir o marcador, com um remate que ainda bateu no poste depois de um desequilíbrio de Waldschmidt na direita (70′), e Jorge Costa reagiu com a primeira alteração, ao trocar o fatigado Madi Queta por Djalma, que se estreou pelos algarvios.

Jesus esgotou as substituições a cerca de um quarto de hora do final e tirou Everton — que teve muita bola mas pouco fez com ela, entre dribles a mais e falta de intensidade — para colocar Cervi. O Benfica dominou por completo os últimos 15 minutos, assentando arraiais no meio-campo adversário, e o Farense optou por defender na íntegra o resultado, avançando apenas em situações de superioridade numérica. Taarabt acabou por ter uma das melhores oportunidades já nos descontos, com um remate por cima da baliza (90+3′), mas os encarnados acabaram por não conseguir desfazer o nulo.

O Benfica volta a escorregar, soma o segundo empate consecutivo na Primeira Liga, fica a 15 pontos do primeiro lugar do Sporting, a quatro do Sp. Braga e pode ficar a cinco do FC Porto se os dragões vencerem o Marítimo esta segunda-feira e tem agora o P. Ferreira apenas um ponto abaixo. Quanto ao Farense, somou apenas o primeiro jogo de todo o Campeonato em que não sofreu golos e conseguiu sair da zona de despromoção. Aos 50 minutos, quando foi substituído, Darwin pôs as mãos na cabeça em sinal de clara desilusão e acabou por ser a imagem de uma equipa a quem não falta só sorte — falta golo, falta intensidade, falta acerto e equilíbrio entre a vertente emocional e desportiva.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.