Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Farfetch, startup de venda online de moda de luxo com ADN português, anunciou que vai abrir uma loja digital no Tmall Luxury Pavilion, uma plataforma de comércio eletrónico do grupo chinês Alibaba. Com este lançamento, o negócio da Farfetch chegará a mais 779 milhões de consumidores da gigante tecnológica chinesa.

“É puramente contabilístico.” Como a Farfetch conseguiu ter lucros e prejuízos num só trimestre

No Tmall Luxury Pavilion, a Farfetch vai ter “uma posição de destaque” com visibilidade “permamente” na página principal. A plataforma chinesa, que funciona em mais de 50 países do mundo com um princípio semelhante ao da Farfetch — disponibilizar online as marcas mais restritas que, outrora, só se podia comprar em lojas físicas. Com esta aposta, a Farfetch, que é lidera e foi fundada pelo português José Neves, pretende também chegar aos “consumidores de luxo” na China.

Em novembro 2020, a Farfetch anunciou uma parceria com o Grupo Alibaba e a Richemont, um grupo francês de venda de artigos de luxo. O objetivo da parceria foi alavancar projetos como o anunciado nesta segunda-feira: criar “um conjunto completo de soluções empresariais desenvolvidas pelas duas empresas, para responder às necessidades dos negócios de luxo”, explica a Farfetch em comunicado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Luís Teixeira, líder de operações (COO, em inglês) da Farfetch, diz que este lançamento “é um marco importante e empolgante” na parceria da startup com o Grupo Alibaba. E deixa a nota: “É apenas o começo da nossa parceria”. Já Judy Liu, diretora-geral da Farfetch China, afirma: “A loja da Farfetch expande significativamente a categoria de luxo para os clientes fiéis do Tmall”.

Farfetch teve lucros operacionais pela primeira vez. Valorização das ações fez disparar os prejuízos

Do outro lado da parceria, Janet Wang, diretora-geral do Tmall Luxury, diz que o objetivo da aliança e das duas empresas, que agora se materializa com este lançamento, “é definir um padrão para esta indústria e liderar a digitalização das compras de luxo”.

Entrevista a José Neves: Farfetch vai ter “lucros operacionais já no próximo trimestre de 2020”

A Farfetch anunciou no final da semana passada que as receitas cresceram 41% no último trimestre do ano (quando comparadas com o período homólogo) para 540 milhões de dólares. Foi a primeira vez na história da empresa em que esta apresentou resultados operacionais positivos.

Fundada em 2007 e com sede em Londres, a Farfetch é considera uma plataforma tecnológica líder global para a indústria da moda de luxo. Em 2015, a empresa foi avaliada pela primeira vez em mil milhões de dólares, tendo, assim, sido considerada pela primeira vez como um “unicórnio”.

Farfetch. A história do “unicórnio” que nasceu no pico da crise e hoje vale 8 mil milhões