O Tribunal de Contas (TdC) deu luz verde às empreitadas de construção da Linha Rosa do Metro do Porto e de prolongamento da linha Amarela até Vila d’ Este, em Gaia, disse esta quarta-feiraa à Lusa fonte oficial da empresa.

O visto do TdC foi dado aos contratos assinados, em novembro, entre a Metro do Porto e o consórcio Ferrovial/ACA, um no valor de 189 milhões de euros, para a construção da Linha Rosa, entre S. Bento e a Casa da Música, no Porto, e outro de 98,9 milhões de euros, para prolongar a linha Amarela entre Santo Ovídeo a Vila d’ Este, em Vila Nova de Gaia.

Pode agora arrancar a edificação de mais seis quilómetros e sete novas estações, no Porto e em Vila Nova de Gaia.

Quando as linhas foram apresentadas, a perspetiva de conclusão das empreitadas era 2023, altura em que se espera juntar 10 milhões de novos clientes à rede.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

De acordo com os anúncios do concurso publicados em Diário da República, a linha Rosa tem um prazo de construção de 42 meses (três anos e meio).

No prolongamento da linha Amarela, o “prazo de execução do contrato” é de 34 meses (dois anos e 10 meses).

A nova Linha Rosa (Circular) do Metro do Porto integrará quatro estações e cerca de três quilómetros de via.

Esta ligação, entre a zona de S. Bento/Praça da Liberdade e a Casa da Música, passa pelo Hospital de Santo António, Pavilhão Rosa Mota, Centro Materno-Infantil, Praça de Galiza e polo universitário do Campo Alegre.

A extensão da Linha Amarela permitirá construir um troço com três estações e cerca de três quilómetros, passando pelo Centro de Produção da RTP e pelo Hospital Santos Silva.

As duas empreitadas representam um investimento total de mais de 407 milhões de euros.

Cerca de 137 milhões de euros dizem respeito a concursos complementares à empreitada que terão de ser lançados, ligados à sinalética ou máquinas de bilhética, segundo fonte da empresa.

O Metro do Porto opera atualmente em sete concelhos da Área Metropolitana do Porto através de uma rede de seis linhas, 67 quilómetros e 82 estações, tendo em 2019 ultrapassado os 71 milhões de clientes, de acordo com dados da empresa.

Começam este mês as obras da Linha Rosa e Amarela do Metro do Porto

As obras para construir a linha Rosa do Metro do Porto e prolongar a Amarela arrancam a “curto prazo”, ainda este mês, e prolongam-se até 2023, assegurou esta quarta-feira a empresa, segundo a qual o trabalho no terreno “começa já”.

“Estamos a arregaçar as mangas e o trabalho no terreno começa já”, garantiu Tiago Braga, presidente do concelho de administração da Metro do Porto, citado num comunicado da empresa.

Tiago Braga considera que esta quarta-feira “é um dia de alegria e de festa”, por estar em causa “o arranque da mobilidade do futuro na Área Metropolitana“.

O presidente da empresa destacou “a excecional colaboração desenvolvida com o TdC, cujo trabalho técnico e o empenho permitiu que, apesar da situação de confinamento, os contratos fossem homologados num prazo muito curto”.

Referiu também o “papel decisivo do Ministério do Ambiente, que disponibilizou todas as condições para que a empresa pudesse concretizar estes dois projetos“.

O responsável apontou ainda “o papel muito relevante que as câmaras do Porto e de Vila Nova de Gaia desempenharam ao longo dos últimos quatro anos na preparação, articulação e desenvolvimento das soluções”.