Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Provavelmente, já reparou que algo mudou no site do Observador. Desde esta quarta-feira, passámos a usar nos nossos artigos dois novos tipos de letra, que representam melhor a identidade e a marca do jornal.

O principal tipo de letra da página do Observador é agora o Halyard Text, que substitui nos títulos, entradas e principais destaques da página inicial e dos artigos do jornal a antiga fonte Roboto. Já o corpo dos textos passa agora a ser escrito na fonte Noto Serif, em vez da clássica Georgia, que deu forma às notícias e reportagens do jornal desde o início.

“Para o processo de seleção da nova fonte, a equipa de design do Observador contou com a ajuda de Ana Freitas, diretora de arte, designer gráfica e docente na ETIC. Depois de termos chegado a um grupo reduzido de fontes finalistas, a Halyard Text foi a que mais se destacou por ser a mais funcional, expressiva, dinâmica e reconhecível“, explica Alex Santos, design manager do Observador.

“Com a Halyard Text, o Observador mantém a utilização de um tipo de letra sem serifas — característica que nos distingue no panorama nacional —, mas acrescenta-lhe caráter e reconhecimento“, sublinha o responsável pelo design do jornal.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A designer Ana Freitas, por seu turno, salienta que a nova fonte “é um tipo flexível, contemporâneo e muito consistente”, além de responder “ao grande desafio de atribuir caráter ao Observador sem lhe alterar a personalidade“.

O tipo de letra Halyard Text substitui nos títulos e destaques do Observador a fonte Roboto, desenhada pela Google e que o jornal adotou desde a sua fundação, em 2014 — e que nos últimos anos se tornou “demasiado neutra, massificada e pouco distintiva“, reconhece Alex Santos.

Já a mudança no corpo do texto é mais subtil. “Foi escolhida porque convive melhor com a Halyard Text e é menos adornada do que a Georgia, a fonte que tínhamos”, explica o design manager do Observador, salientando que a novo tipo de letra do corpo das notícias e reportagens do jornal “proporciona uma leitura mais cómoda“.