O grupo elBarri, o sonho de Albert Adrià e dos irmãos Iglesias (Juan Carlos, Pedro e Borja) que mudou o panorama gastronómico da cidade de Barcelona, será dissolvido e o destino dos quatro restaurantes que o compõem é incerto. A notícia soube-se esta quinta-feira e, ao que tudo indica, esta dissolução deve-se ao impacto enorme que a pandemia e as medidas para a combater tiveram neste conglomerado composto pelos restaurantes Hoja Santa, Pakta, Bodega 1900 e o famoso Tickets (que tem uma estrela Michelin e ocupa a 32º lugar na lista dos The World’s 50 Best Restaurants).

O restaurante Enigma, também ele associado ao universo elBarri, é um caso à parte dos restantes porque, segundo declarações do próprio Albert Adrià à agência Efe dadas esta quinta-feira, este espaço ultra criativo com uma estrela Michelin é propriedade do irmão de Ferran Adrià, “não faz parte da aliança com os irmãos Iglesias”. Por isso mesmo Albert diz que neste momento ainda não sabe se o abrirá “este ano ou no próximo”. Os restantes espaços, por sua vez, aparentam ter um destino mais incerto ainda — o cozinheiro preferiu não comentar sobre o seu futuro, quando questionado pelo El País, e remeteu decisões finais para a semana que vem, altura em que já deverá haver uma posição mais concreta sobre o que vai acontecer.

Na cozinha do Loco com um Adrià: Albert serviu lagostas gigantes e pão aéreo

Ainda ao El País Albert diz que o encerramento do grupo elBarri é o enterrar de “10 anos de um sonho que farão parte de uma bela memória”, mais ainda por ter conseguido que todos eles fossem aclamados tanto pela crítica como pelo público. “Eu não sou  pessoa de olhar para trás”, reforçou o cozinheiro.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Sobre esta realidade, o site espanhol especializado em gastronomia 7 Canibales avança que alguns espaços do grupo como o Hoja Santa, mais virado para a gastronomia mexicana, poderá vir a manter-se no mesmo registo mas outras casas como o Tickets, por exemplo, poderão vir a ser transformadas em espaços com outro conceito.

Albert Adrià, que também foi um dos arquitetos do sucesso de El Bulli, considera que este momento é o “encerramento de mais uma etapa” depois de mais de “10 anos de trabalho a um ritmo infernal”. Nenhum dos restaurantes do grupo abriu após o confinamento total decretado em março de 2020, dado terem um modelo de funcionamento que não se coadunava com as limitações que se mantiveram mesmo com a reabertura, principalmente por causa da grande dependência do cliente turista.

A situação da restauração e hotelaria na zona da Catalunha é especialmente sensível porque mesmo antes do impacto da pandemia, que muitos consideram demolidor, a região já tinha sofrido bastante com o clima de instabilidade política causado pelos movimentos independentistas.