Durante umas horas, a imprensa canadiana ainda tentou averiguar se as imagens eram verdadeiras e, se sim, quem era o deputado capturado nos print screens que esta quarta-feira começaram imediatamente a circular e deixavam perceber um homem completamente nu, com um telemóvel na mão a ocultar providencialmente a zona do baixo ventre, enquadrado entre duas bandeiras — Canadá à direita, Quebec à esquerda.

William Amos, deputado do Partido Liberal de Justin Trudeau por Pontiac, cidade naquela província, acabou por poupar-lhes o trabalho e veio assumir, através do Twitter, que tinha sido ele mesmo a aparecer sem roupa na reunião via Zoom da Câmara dos Comuns do parlamento canadiano. Tinha saído para dar uma corrida e estava no seu escritório a trocar de roupa, para comparecer vestido de forma apropriada no encontro com colegas deputados, por força da pandemia de forma virtual. Foi traído pela câmara do computador que, sem se aperceber, já estaria ligada.

“Hoje cometi um erro realmente infeliz e estou obviamente envergonhado por isso”, lamentou o deputado, de 46 anos, em francês e em inglês. Depois de pedir desculpa aos demais membros do parlamento, Amos, que desde 2019 é também secretário parlamentar do ministro canadiano da Inovação, Ciência e Indústria, fez questão ainda de garantir que a situação não vai voltar a acontecer. “Não temos necessidade de tais distrações durante esta pandemia!”, frisou na versão francesa do pedido de desculpas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Apesar do inusitado da situação, de que alguns deputados presentes na reunião nem sequer se aperceberam — como o presidente da Câmara dos Comuns, Anthony Rota, que deu conta disso mesmo na sessão —, a oposição fez questão de não deixar passar o episódio.

“Senhor Presidente, como bem sabe, desde o início da pandemia temos tentado enfatizar a importância do decoro e do respeito pelo código de vestuário aqui na Câmara. Acho que hoje estabelecemos um novo recorde. Durante o período de perguntas, vimos um membro vestido de forma imprópria. Ou melhor, sem roupa. Talvez seja melhor recordar os membros, sobretudo os masculinos, que fatos e gravatas são apropriados mas camisas, cuecas e calças também”, disse a deputada Claude DeBellefeuille, do partido independentista Bloco Quebequense. “Vimos que este membro está em muito boa forma, mas acho que ele deve ser recordado sobre o que é considerado adequado e que deve controlar a sua câmara.”