Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os últimos minutos da segunda sessão de treinos livres do Grande Prémio de Portugal em Moto3 tiveram o condão de criar uma visível preocupação entre as equipas de MotoGP perante as condições meteorológicas e a KTM era um bom exemplo disso mesmo, depois de uma primeira sessão onde Miguel Oliveira e Brad Binder estiveram a rodar muito longe dos primeiros classificados apostando na segunda sessão para lutarem pela Q2. Assim, foi notória a “pressa” de todos em colocar as motos em pista. E com o Falcão a conseguir abrir as asas.

Miguel Oliveira faz 17.º lugar na primeira sessão de treinos livres num regresso canhão de Marc Márquez

Na primeira passagem pela sessão, o piloto de Almada conseguiu baixar em mais de dois segundos o melhor tempo que tinha realizado de manhã (1.44,000), entrando de forma natural entre os primeiros classificados com o segundo melhor tempo que até regressar à pista baixou a quinto tendo à sua frente as duas Suzuki (Joan Mir e Álex Rins), uma Ducati (Pecco Bagnaia) e uma Yamaha (Fabio Quartararo) enquanto o céu ia ficando cada vez mais carregado e escuro ameaçando queda de chuva que chegou a acontecer de forma ligeira no Moto3.

A “ameaça” tinha ficado na última volta lançada da primeira saída das boxes, quando teve de alargar a trajetória de uma curva quando ia com tempo para fazer a melhor volta, a concretização chegaria pouco depois: Miguel Oliveira conseguiu o primeiro registo a cerca de 20 minutos do final da sessão, baixando quase três segundos em relação ao registo da manhã (1.41,038) e ficando ainda mais tranquilo nos lugares de qualificação direta para a Q2, sendo depois superado por Álex Rins e Fabio Quartararo, a rodar a abaixo de 1.41 (1.40,952).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

À entrada para os últimos dez minutos, o espanhol Aleix Espargaró conseguiu mesmo uma volta canhão com a sua Aprilia (1.40,907), havendo apenas meio segundo de diferença entre os 11 mais rápidos em pista. Takaaki Nakagami (Honda), que teve uma saída de pista aparatosa na curva 1 no início da sessão e que passou pelo posto médico do circuito, conseguiu ainda regressar mas sem disfarçar as dificuldades provocadas pela queda. As atenções voltavam a centrar-se em Miguel Oliveira, que arriscava mais no melhor registo do dia com pneu macio na traseira, chegando de novo à liderança numa volta de 1.40,703 antes de mais um grande registo de Joan Mir, campeão mundial de 2020 que fez 1.40,285, confirmando a subida das Suzuki em relação ao ano passado, e de mais uma grande volta de Pecco Bagnaia, que se tornou o primeiro a baixar de 1.40 na sessão.

No final, Miguel Oliveira terminou com o nono melhor registo do dia (1.40,592), dentro da Q2 provisória antes da terceira sessão de treinos livres na manhã deste sábado. Pecco Bagnaia ficou com o melhor registo (1.39,866), seguido de Fabio Quartararo (1.40,206) e das Suzuki de Joan Mir (1.40,285) e Álex Rins (1.40,328). Marc Márquez foi também a tempo de marcar o sexto melhor tempo da sessão, com 1.40,339.