Brunch no Chutnify Cascais

Rua Afonso Sanches, 53, Cascais. Segunda a sexta 12h-15h/18h-22h30, sábados e domingos 11h-13h.

Para uma viagem à Índia sem sair de Linha:  o Chutnify abriu em Cascais ainda durante o confinamento deste ano, na Rua Amarela, levando os sabores indianos para a vila apenas através do delivery e do take-away. A reabertura dos restaurantes possibilitou agora ao restaurante, que tem casa também no Príncipe Real, reabrir a sua ampla esplanada para servir almoços (12h-15h) com um menu especial ao estilo Thali – refeição típica indiana servida numa travessa – e também jantares (18h-22h30), onde é obrigatório pedir um dos vários caris da ementa ou algum dos pratos cozinhados no tandoor. Aos domingos, a conversa é outra: há um brunch indiano especial, servido entre as 11h e as 16h, que só decorre no espaço de Cascais. No menu, que tem escolhas à la carte, há ovos mexidos, fritos ou em omelete, confecionados com muitas especiarias, e não faltam as dosas, que são tradicionais dos pequenos-almoços na Índia, e até uma granola que é receita de família de Aparna Aurora, fundadora do Chutnify. Há ainda caris, biryanis e vários tipos de pão. Depois disso, o restaurante continua aberto, com uma chill out hour (todos os dias 18h-19h), com bebidas a preços especiais e snacks leves, e depois serviço de jantar. Nestes tempos, é aconselhável a reserva de lugar (218 090 774/ ola@chutnify.com).

A opção de brunch é exclusiva ao restaurante de Cascais. ©DR

Nova obra de arte urbana em Benfica

Campo do Calhariz de Benfica. Todos os dias. Entrada gratuita.

Para mostrar que sabe driblar ou tirar uma boa foto para as redes: a Galeria de Arte Urbana (GAU), da Câmara Municipal de Lisboa, tem levado a cabo um programa de requalificação de vários campos de jogos pela cidade, ao estilo do famoso Pigalle Basketball Court, em Paris, que é uma referência para os mais atentos da arte urbana. Primeiro aconteceu no Campo Mártires da Pátria, com Akacorleone, depois em Chelas com os Halfstudio, e no Lumiar com o prédio e o campo de basquetebol dedicado a Kobe Bryant assinado por Hélio Bray. O mais recentemente inaugurado fica em Benfica, chama-se “Cara ou Coroa” e trouxe vida ao Campo de Jogos do Calhariz, com uma obra da autoria dos artistas naturais do bairro, Edis One e Pariz One. O tema focou-se precisamente no desporto e na importância do fair play e o respeito dentro e fora de campo. É de aproveitar o regresso do bom tempo no fim de semana para fazer o roteiro pelos campos de basquetebol/futebol alternativos da cidade.

A obra chama-se “Cara ou Coroa” e apela ao fair play. ©DR

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Javá

Praça Dom Luís I, 30, Cais do Sodré. Quarta a domingo 12h-22h.

Para perder o medo das alturas de copo na mão e à mesa: vistas panorâmicas da cidade nunca são demais, sobretudo se ainda forem um segredo meio escondido. O Javá ainda cheira a novo — está a funcionar em regime de soft opening até junho —, e fica bem lá no alto do conhecido 8 Building, na Praça Dom Luís I, no Cais do Sodré, e cujo acesso é feito num elevador panorâmico já no interior do edifício. A ideia é que este novo terraço lisboeta sirva todas as refeições do dia, do pequeno-almoço ao jantar, e que seja o lugar ideal para ver aquele pôr do sol com um cocktail na mão. O terraço circular rodeia a cúpula central, onde está instalada a sala interior e espaçosa do Javá, e deixa que mesas e cadeiras, de inspiração parisiense, plantas e luzinhas componham o ambiente do rooftop de Pierre e Margaux, os responsáveis do espaço. Já a comida que sai daquela cozinha acaba por ter uma forte influência mediterrânica, com muitos dos pratos a serem feitos na grelha ou no forno tandoor. Aos fins de semana servem-se brunches (09h-16h), à la carte, com direito a panquecas caseiras, como as de banana caramelizada, amendoim e miso, uma bowl de açaí, uma salada de frutas, ovos turcos com espetos de cordeiro grelhados e pão sírio caseiro quente,  abacate em duas formas (em pasta e fatiado) servido com salada, cevada crocante e pão de massa-mãe torrado ou ainda um tabuleiro para duas pessoas com várias especialidades do Méio Oriente. Além disso, o Javá vai também receber pop-ups no Port’azul, um postigo do terraço a que chamam de janela de street food — as primeiras a ocupar a cozinha foram as meninas do Malamadre, que às quintas e sextas (17h-22h) servem hambúrgueres de frango frito crocante, um vegana e outro de polvo. A partir desta sexta, 14 de maio, passam também a estar abertos para servir jantares de quarta a domingo, entre as 18h e as 22h30. É possível reservar mesa através do site.

A carta do brunch é à la carte. Às quintas e sextas é dia de pop up, mas só ao jantar. ©DR

Novos pequenos-almoços e lanches no Honest Greens

Alameda dos Oceanos, lote 2.11.01, Parque das Nações/ Edifício Amoreiras Plaza, R. Maria Ulrich 1, Loja 11/12 , Amoreiras. Pequenos-almoços: 09h-11h30 (sábados e domingos no Parque das Nações, de segunda a domingo nas Amoreiras); lanche: 16h-18h30.

Para quem quer tirar a teima sobre comida saudável: a comida saudável não tem de ser aborrecida e o Honest Greens faz provas disso, concentrando-se em pratos nutritivos, sazonais e com doses jeitosas, mantendo longe da cozinha os alimentos processados e os açúcares refinados. Abriu primeiro no Parque das Nações e depois nas Amoreiras, servindo almoços, jantares, pequenos-almoços e lanches — e é nestes últimos dois que entram as novidades. Para a refeição mais importante do dia, há novos ovos: o florentine com salmão e os benedict com portobello trufado, ambas feitas com ovos bio. A carta passou a ter também um breakfast Burrito, disponível tanto ao pequeno-almoço como ao lanche, e o crepe ricotta sem glúten. A esta oferta juntam-se ainda um smoothie azul e vermelho com spirulina, fruta fresca, crumble paleo, coco ralado e flores comestíveis. No menu mantém-se as já habituais tostas avocado tahini ou a de hummus da semana, o bowl de açaí ou o pudim de chia — tudo para ser aproveitado no ambiente tropical das salas interiores de ambos os espaços ou na esplanada ampla do Parque das Nações.

Os ovos são uma das novidades do novo menu pequeno-almoço ©DR

Mercado Santos Collective

Jardim de Santos, Largo Santos. Sábado das 10h às 15h. Entrada gratuita.

Para voltar aos mercados de rua: o coletivo Santos Collective arregaçou as mangas durante a pandemia e criou, no Largo da Igreja de Santos, um local de encontro com uma esplanada comunitária durante a semana, envolvendo alguns dos negócios ali à volta, e um mercado de produtores locais a funcionar aos sábados. O projeto cresceu e já não cabe só no largo, agora desce também até ao Jardim de Santos, junto ao Teatro A Barraca. Este sábado, 15, será o dia da mudança oficial em que o Santos Collective migra o seu mercado de sábado (10h-15h) para o jardim — onde passará a decorrer — e, além de produtores locais com frescos, pão e produtos tradicionais, haverá ainda carrinhas de street food, música ao vivo, zona de refeições e uma zona para os mais novos brincarem. Durante a semana, a esplanada mantém-se aberta (17h-22h) no Largo da Igreja de Santos a servir refeições ao ar livre.

O mercado muda de sítio, mas a esplanada comunitária mantém-se no Largo da Igreja. ©DR

João Gil no Capitólio

Parque Mayer, Avenida da Liberdade. Sexta, sábado e domingo 20h30. 15 euros

Para matar saudades das salas de espectáculo: esta residência musical de João Gil, a Caixa de Luz, foi anunciada em Janeiro, para decorrer nesse mesmo mês, mas o confinamento voltou a trocar as voltas à cultura e o evento de cinco dias foi sendo adiado para decorrer agora entre 12 e 16 de maio no Capitólio. A premissa é simples: cada dia o músico João Gil, que integrou projetos como Trovante ou Ala dos Namorados, faz-se acompanhar por um convidado diferente no palco do Capitólio. Para esta sexta, 14, será Jorge Palma a fazer-lhe companhia nas cantorias, enquanto que no sábado é Carolina Deslandes a subir ao palco com o músico. No domingo, 16, o ciclo de concertos encerra com Ana Bacalhau como convidada. Os bilhetes custam 15 euros e os concertos começam às 20h30.

Os concertos estavam marcados para Janeiro e tiveram de ser adiados para este mês de maio. ©DR

Museu do Carro Eléctrico

Alameda Basílio Teles, 51, Porto. Segundas 14h às 18h, terças a domingo 10h-13h/14h-18h.

Para andar tudo sobre carris (ou quase, vá): o Museu do Carro Eléctrico, que fica mesmo à beira-rio, voltou a estar de portas abertas nas tardes de fim de semana, numa altura em que o espaço celebra 29 anos de existência, nos quais tem vindo a retratar a história dos elétricos ao longo dos tempos. O museu está instalado na antiga Central Termoelétrica de Massarelos, na altura construída para alimentar os veículos de tração elétrica que circulavam no Porto. Com esta reabertura, já é possível aproveitar para conhecer melhor a história deste meio de transporte centenário e até sobre o próprio edifício.

O museu não pode, mais uma vez, realizar o famoso Desfile do Carro Elétrico este ano. ©DR

Novo espaço no Zoo Santo Inácio

Rua 5 de Outubro, Avintes. Segunda a domingo 10h às 19h. 15,90 euros

Para ter contacto com a natureza: o Zoo Santo Inácio, em Gaia, tem agora um “Mundo Tropical”, um novo habitat onde os visitantes vão poder passear livremente entre faisões e lémures, quase como de uma experiência imersiva se tratasse. O objetivo do zoo é aproximar as pessoas do mundo animal, não intervindo nele nunca, mas sim convivendo lado a lado, uma vez que a manutenção da biodiversidade e a sensibilização para conservação das espécies é um dos grandes pilares do equipamento.

Vai ser possível andar no mesmo espaço que os faisões e os lémures. ©DR

Novas visitas Quinta do Pôpa

Estrada Nacional 222, Adorigo, Tabuaço. 916 653 442.

Para pisar os socalcos em pessoa ou virtualmente: os espaços de enoturismo vão voltando ao ativo nestas últimas semanas e o da Quinta do Pôpa é um dos que voltou a deixar entrar visitantes nos seus socalcos esta semana e em dose dupla com visitas presenciais e a estreia das digitais. Para quem prefere sentir tudo in loco, a Quinta do Pôpa tem preparadas visitas à propriedade acompanhadas de histórias do avô Pôpa, o homem de família que dá nome à quinta, regadas com uma prova de vinhos ou complementadas com um piquenique. Além da visitas presenciais, a Quinta estreia agora uma vertente digital com visitas virtuais gratuitas, onde os irmãos Vanessa e Stéphane Ferreira têm agora a possibilidade de partilhar o seu conhecimento numa tour guiada online para os participantes conhecerem a adega, sala de cascos e garrafeira, assim como visitar e fazer compras na loja de vinhos. Em Agosto, vai ser possível estender estas visitas virtuais também às vinhas.

As visitas presenciais podem ser acompanhadas de provas ou até de refeições. ©DR

Novas exposições do Museu da Cidade

Casa Guerra Junqueiro. Rua de Dom Hugo, 32, Porto. / Casa do Infante. Rua da Alfândega, 9, Porto. Terça a domingo 10h às 17h30.

Para correr o Porto pela arte: o Museu da Cidade não tem só uma morada, tem antes 17 — de sítios arqueológicos a bibliotecas, de espaços industriais a outros com jardins —, todas espalhadas pela cidade, da zona ocidental à zona oriental. O projeto, apresentado no início de 2020, tem vindo a consolidar-se, ainda com alguns núcleos em construção e outros com inauguração prevista para breve. Recentemente, inaugurou duas novas exposições, em dois espaços distintos chamados gabinetes e que se destinam a receber precisamente mostras temporárias. No Gabinete de Desenho da Casa Guerra Junqueiro (junto à Sé), pode ser vista “A Obliquação da Gravidade”, de António Veiga Leitão, uma exposição que apresenta um conjunto de construções, máquinas, papagaios voadores, esculturas em madeira, objetos, materiais, documentos ou imagens que foram produzidos ou que pertenciam a António Veiga Leitão, irmão do poeta Luís Veiga Leitão. Por outro lado, no Gabinete do Tempo da Casa do Infante, está patente “Found Tapes Porto 2004-2019—15 anos de memórias magnéticas”, de Pedro Augusto.

A exposição Found Tapes pode ser vista no Gabinete do Tempo até 5 de Setembro. © Dinis Santos

Bienal ’21 de Fotografia do Porto

Vários locais do Porto. De 14 de maio a 27 de junho. Entrada gratuita.

Para perceber e refletir sobre o papel da humanidade: desta sexta, 14, até dia 27 de junho volta a ter lugar mais uma edição da Bienal ’21 de Fotografia do Porto, uma iniciativa da Ci.CLO, plataforma de fotografia, que este ano acontece sob o mote “O que acontece no mundo acontece connosco”. Uma pergunta à qual 16 curadores e 46 artistas nacionais e internacionais tentam dar resposta refletindo sobre a interdependência entre os sistemas naturais e humanos, apresentando 19 propostas expositivas em 15 espaços do Porto, um em Lisboa e três em ambiente virtual. O programa completo pode ser consultado no site, e é de salientar que todas as atividades são de entrada gratuita, para haver poucas desculpas na hora da visita.

Exposição Trump as Five Different Races, de Nancy Burson.

Novos menus Largo do Paço

Largo do Paço, 6, Amarante. Reservas: reservas@casadacalcada.com/ 255 410 830. Terça a sábado 19h30-22h.

Para comer Portugal de uma garfada só: o chef Tiago Bonito voltou a poder receber comensais e a fazer brilhar a estrela Michelin no seu Largo do Paço, o restaurante da Casa da Calçada Relais & Châteaux, em Amarante. A reabertura trouxe dois novos menus de degustação e também um novo e original pairing de infusões que vem realçar os sabores da proposta gastronómica do espaço. Na nova carta, fruto da sazonalidade, saltam à vista os produtos frescos portugueses e os sabores do mar, com os peixes e mariscos da costa a brilharem no prato. Além da carta habitual, há então dois novos menus com quatro saudações do chef e sete momentos, são eles: o Lés a Lés (125€), com forte inspiração na cozinha tradicional portuguesa, parando no Sado para as ostras ou no Alentejo para o borrego; e o menu Homenagem (145€), um tributo aos sabores do mar e aos descobrimentos portugueses, e a aplicação de técnicas como a defumação, a cura de sal e a secagem. Estes menus podem também ser agora acompanhados por um pairing de infusões com sete momentos preparados pelo sommelier David Teixeira, totalmente à base de ervas do Douro, colhidas na Serra de Montemuro. Outra novidade é a hora biológica da Casa da Calçada que já deu frutos, ou melhor, ervas aromáticas, mas que será no futuro fonte de uma variedade de legumes que irão dar mais frescura aos menus.

Uma das novidades do restaurante é o pairing de infusões. ©DR

“Nunca mais é sábado” é uma rubrica que reúne as melhores sugestões para aproveitar o fim de semana.