Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Depois de duas épocas fabulosas pelo FC Porto onde ganhou praticamente tudo o que havia para ganhar, com uma Liga dos Campeões e uma Taça UEFA entre seis títulos nos dragões, José Mourinho tornou-se o primeiro treinador português na Premier League. Esteve e ganhou no Chelsea uma primeira vez de 2004 a 2007 (oito títulos dos quais dois Campeonatos), esteve e ganhou no Chelsea uma segunda vez de 2013 ao fim de 2015 após passagens por Inter e Real Madrid (dois títulos, entre eles um Campeonato), rumou ao Manchester United em 2016 e ganhou três troféus entre Liga Europa, Taça da Liga e Supertaça até 2018. Aí, quando estava em Old Trafford, as coisas tinham começado a mudar. E o Campeonato inglês teve sempre pelo menos um português.

O fim de uma era: Nuno Espírito Santo deixa comando do Wolverhampton

André Villas-Boas, antigo membro da equipa técnica do Special One, esteve no Chelsea na época de 2011/12, foi para o Tottenham em 2012/13 e rumou a outras paragens. Acabou por ser uma exceção. No entanto, nos últimos quatro anos, a realidade tornou-se diferente. Porque houve Marco Silva no Hull City, no Watford e no Everton entre 2017 e 2019, porque houve Carlos Carvalhal no Swansea em 2017/18 depois de dois anos no Sheffield Wednesday do Championsip, porque houve Nuno Espírito Santo de 2017 até hoje no Wolverhampton, com uma primeira temporada ainda no escalão secundário, a que se seguiram três épocas na Premier League – e José Mourinho ainda assumiu um terceiro clube britânico, neste caso o Tottenham, durante pouco mais de um ano.

Agora, com a saída do antigo técnico de Rio Ave e FC Porto, o primeiro escalão inglês voltaria a ter uma época sem técnicos portugueses. Todavia, esse cenário poderá voltar a ser adiado nos próximos dias.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Bruno Lage, que passou como adjunto de Carlos Carvalhal por Inglaterra quando o agora treinador do Sp. Braga esteve no Sheffield Wednesday e no Swansea, é a primeira opção do Wolves para ocupar o lugar que era de Nuno Espírito Santo e, de acordo com o The Telegraph, já viajou mesmo para Inglaterra para discutir os termos do projeto e do contrato em causa com o presidente do clube, Jeff Shi, e o diretor técnico, Scott Sellars. O jornal acrescenta ainda que é Hugo Valdir, antigo lateral formado no Sporting que se juntou à equipa da Gestifute quando terminou a carreira, que está a intermediar o acordo entre ambas as partes, tendo mesmo visto no domingo a última jornada da Premier League entre Wolves e Manchester United no Molineux Stadium.

O treinador encontra-se sem clube desde que saiu do Benfica, a quatro jornadas do final da Primeira Liga de 2019/20, depois de ter ganho um Campeonato e uma Supertaça. Bruno Lage tinha como principal prioridade voltar a Inglaterra, recusando por isso as abordagens que foram sendo feitas por clubes nacionais e europeus.