Cadeira: Alice

Marca: DAM

É leve e elegante mas nem por isso discreta. Alice, da DAM, conta a história de duas coscuvilheiras: são elas os pés da cadeira que estão virados para dentro e, por isso, um para o outro. As duas personagens “muito portuguesas” conversam sobre o encosto, ao qual dão suporte. “É uma cadeira simples que se enquadra em diferentes ambientes”, diz Joana Santos, designer e co-fundadora da marca. “Distingue-se pela estética mas também pelo storytelling.” Este modelo mistura a madeira de nogueira ou de carvalho com a cortiça, que reveste a superfície e surge em dois tons, mais claro ou mais escuro.

A partir de 293€

dam.pt

Cadeira: Arco

Marca: Inot

Improvável. Assim é a cadeira Arco, da Inot, concebida pelo próprio fundador da marca, Toni Grilo. O designer francês mudou-se para Portugal em 2001 e aqui se tornou “obcecado pela beleza dos materiais e dos processos”. Foi precisamente o material o ponto de partida desta cadeira, cujo esqueleto é uma estrutura metálica, com o exterior em pedra esculpida – basaltina ou calacatta gold –, numa parceria com a Mármores Centrais do Minho. “A ideia era provocar o material”, conta Toni Grilo, “criar com mármore uma cadeira que fosse relativamente leve.” Uma edição limitada de apenas oito exemplares, cada um com 30 quilos.

A partir de 6000€

tonigrilo.com

Cadeira: Nestwings

Marca: Around The Tree

É capaz de ser a cadeira com mais tempo de antena em Portugal – ou não estivesse ela no Palácio de Belém, escolhida pelo próprio primeiro-ministro António Costa, no início de 2020, para receber convidados. Criada em 2013, a Nestwings é uma das primeiras peças da marca Around the Tree. Com linhas retro e espuma de alta densidade, a cadeira foi desenhada para servir como uma espécie de “ninho envolvente e aconchegante” – daí o nome. Embora a versão bestseller seja a escolhida pelo primeiro-ministro – freixo e nogueira americana na estrutura, pele no revestimento –, existe também a possibilidade de forrar a cadeira com veludo, tecido e até mesmo cortiça.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A partir de 750€

aroundthetree.eu

Cadeira: IK

Marca: Olaio

É uma cadeira nova com décadas de vida. E não é contradição. A IK nasceu em 1968, um dos anos de ouro da Olaio, marca histórica portuguesa que, depois de décadas parada, nos últimos anos tem feito renascer várias peças de mobiliário do seu arquivo. A cadeira IK é uma delas – e acaba de ser lançada com uma nova cara. É dobrável, empilhável e, embora não seja uma cadeira de exterior, pede tardes ao sol. Além da tradicional faia lacada, existe também em freixo. E as duas cores originais multiplicaram-se e são agora oito: coral, branco cru, mostarda, preto, azul claro, tijolo, azul petróleo e rosa. “É uma cadeira com cores alegres, de verão”, resume Renata Vieira, que fez renascer a marca ao lado do herdeiro João Pedro Olaio. Concluindo: “É um modelo bonito e essencialmente simples.”

A partir de 130€

olaio.pt

Cadeira: Bee

Marca: Porventura

Quando a família Ventura, já no ramo do mobiliário, decidiu agitar as águas e apostar numa nova marca, a Bee foi uma das suas primeiras peças. Através da mistura de elementos antigos e modernos, a cadeira pretende marcar e celebrar a passagem do tempo e foi desenhada por Miguel Soeiro, designer residente da Porventura, que escolheu a palhinha porque a considera um material “muito à portuguesa” e viu nele um desafio. O esqueleto da cadeira é de tal forma fino que os próprios produtores, em Paços de Ferreira, o achavam disfuncional. Surpreendentemente, a Bee não é mais elegante que robusta. O modelo mais pedido é em carvalho natural mas há também versões em freixo pintado e nogueira.

A partir de 665€

porventura.pt

Cadeira: Bartô

Marca: Apewood

Foi durante a quarentena que surgiu a ideia de reinterpretar uma cadeira com mais de 60 anos, utilizando apenas materiais que sobravam no ateliê: izombé e acácia. A Bartô foi inspirada numa cadeira antiga que João Maria Bernardino, designer e fundador da Apewood, recebeu como presente de Bartolomeu Costa Cabral, arquiteto português e namorado da avó. E o tempo livre foi aproveitado para fazer experiências: além de a estrutura da cadeira não contar com nenhum parafuso, graças à técnica marceneira do encaixe, a curvatura das costas também é incomum. O arco foi criado através da submersão da madeira em água durante dias. Como resume João Maria: “A Bartô foi um projeto experimental de quarentena que acabou por correr muito bem.”

A partir de 285€

apewood.com

Cadeira: Manuel

Marca: Fuschini

Foi numa das habituais visitas a Paços de Ferreira que os arquitetos Sara Oom de Sousa e Vasco Lima Mayer se cruzaram com um desafio. O “senhor Manuel”, fornecedor da Fuschini, ofereceu-lhes um pedaço de madeira Kiri – uma madeira japonesa fina e muito resistente – e perguntou-lhes o que podiam fazer com ela. Juntos, acabaram por construir aquilo que apresentaram dois meses depois, na Feira de Design de Milão de 2019, como “a cadeira de madeira mais leve do mundo”. São apenas 1,2 kg de uma cadeira estável que nasce com o intuito de ser, não propriamente um modelo bestseller, mas sim uma obra de arte e “um tema de conversa”. Há uma versão mais pesada mas também mais económica, em carvalho e nogueira, que começa nos 335€.

A partir de 975€

fuschini.com

Cadeira: Ericeira

Marca: Wewood

Nascida a mais de 300 quilómetros de distância da Ericeira, em Gandra (nos arredores do Porto), esta cadeira é uma ode à charmosa vila junto ao mar. Foi em 2018 que o restaurante Jangada, situado precisamente na Ericeira, no hotel You and the Sea, pediu à Wewood uma cadeira que se enquadrasse no espaço, rústico mas moderno. Assim surge este modelo, “inspirado na pesca mas sobretudo no surf”, diz Hugo Ferro, responsável de comunicação da marca. Em madeira maciça – carvalho ou nogueira –, as curvaturas do assento e do encosto pretendem refletir a ondulação das pranchas de surf e “combinar a simplicidade das cadeiras antigas com a estilização e o design”. Tal como as ondas da própria vila, o modelo português ganhou fãs além fronteiras e entre 2018 e 2019 saiu em revistas de decoração na Suécia, na Alemanha e na Dinamarca.

A partir de 334€

wewood.eu

Cadeira: Original cadeira portuguesa

Marca: Adico

A celebrar 100 anos de existência em 2020, a Adico continua a apontar a original cadeira portuguesa como o seu grande ícone. O modelo “5008” foi criado nos anos 30 do século passado. “Tornou-se conhecido como cadeira portuguesa porque as pessoas começaram a chamá-la assim, mas off the record”, conta Karin Resende, comercial da marca. A versão original é em ferro e alumínio, com assento metálico ou em contraplacado, podendo atualmente ser pintada de 38 cores diferentes, com acabamento mate ou texturado. Todos os materiais utilizados são de origem portuguesa e a cadeira é produzida da mesma forma de sempre, em Avanca, distrito de Aveiro.

A partir de 73€

adico.pt

Cadeira: R&B

Marca: Branca Lisboa

O ar de “cadeira da porta ao lado” não é por acaso. Era o objetivo de Marco Sousa Santos, diretor e designer da Branca Lisboa: reinterpretar um modelo simples e tradicional, dando-lhe um toque de modernidade e de conforto. As letras R&B referem-se a “rabo de bacalhau”, um dos modelos portugueses de cadeira mais típicos – aqui reinventado. R&B é uma cadeira robusta que surge em carvalho, freixo ou faia, podendo a cor e a altura ser adaptadas. Encontra-se este modelo em projetos de restauração e hotelaria pelo mundo: das caves de vinho do Porto Cockburns ao hotel alentejano São Lourenço do Barrocal, passando pelo restaurante Butcher Cow, em Viena de Áustria.

A partir de 255€

branca-lisboa.com

Este artigo foi originalmente publicado na revista Observador Lifestyle Nº 9