Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Daimler está em processo de venda de uma série de instalações que possui na Europa, para reduzir trabalhadores e realizar capital, com o objectivo a apontar para 1000 milhões de euros. Quem avançou com a notícia foi a publicação alemã Handelsblatt, confirmada pelo Automotive News.

A estratégia passa pela venda de 25 instalações, entre stands de exposição e concessionários, propriedade do construtor. Juntamente com as instalações vão igualmente os cerca de 2800 empregados que a elas estão associados. Sabe-se, para já, que alguns dos países envolvidos são a Suécia, Reino Unido, Espanha e Bélgica.

A Daimler prevê encaixar 30 a 40 milhões de euros por cada instalação, o que perfaz os 1000 milhões. Esta decisão está em linha com que o construtor já fez anteriormente com a sua rede de retalho na Alemanha, quando em 2015 vendeu aos chineses da Lei Shing Hong os concessionários que detinha no seu país de origem, de acordo com a Automotive News.

Daimler muda de nome e separa carros de camiões

Esta é mais uma decisão tomada pelo CEO Ola Kallenius, destinada a reunir as verbas necessárias para investir na mobilidade eléctrica, sem comprometer em demasia os lucros e o pagamento de dividendos aos accionistas. A alienação dos concessionários e stands de vendas europeus vem no seguimento da separação do negócio dos automóveis dos camiões, com o objectivo de lançar este último em bolsa e reforçar os cofres da empresa.