Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O sector dos transportes está desde há um ano a acumular prejuízos, uma vez que o desconfinamento não se reflete na normalização da atividade. O Jornal de Notícias escreve esta terça-feira que os transportes urbanos de Lisboa e do Porto continuam a apresentar quebras a rondar os 40% tendo em conta os passageiros que transportavam em período homólogo de 2019. O fim do teletrabalho obrigatório, a 14 de junho, pode vir a alterar o panorama.

Exemplo são as validações de títulos de viagem ou passes: em janeiro e fevereiro de 2020, foram feitas 6,3 e 6,2 milhões de validações, respetivamente, no Metro do Porto, o que contrasta com as 3,8 milhões de validações nos primeiros dois meses de 2021 (maio ainda esteve 43% abaixo de 2019). Também nos primeiros dois meses de 2020 foram vendidos mais de 456 mil passes Andante — entre janeiro e abril de 2021 foram 435 mil.

Já o Metropolitano de Lisboa, tal como informou fonte da transportadora ao jornal já citado, “tem um tido um decréscimo de passageiros transportados, sem precedentes na história da empresa”. Foram 23 milhões os passageiros nos primeiros cinco meses de 2021, o que contrasta com os mais de 70 milhões em período homólogo do ano passado. As receitas tendo em conta as vendas de passes desceram de 22,9 milhões de euros, entre janeiro e abril de 2019, para 10 milhões em igual período em 2021.

No que diz respeito à Carris, apesar de o número de passageiros não estar a cair tanto, nota-se, ainda assim, uma quebra estimada de 38% face a maio de 2021 por comparação com maio de 2020. E apesar de nos primeiros cinco meses a perda de passageiros ser de 50%, a oferta cresceu 9% face a 2019. Também a STCP está a trabalhar com mais 106% de autocarros do que em 2019.

O Instituto Nacional de Estatística confirma esta tendência face à redução de passageiros no segundo confinamento: nos primeiros três meses de 2021, os aeroportos apresentaram uma quebra de 84,4%; o transporte via comboio recuou 51,4% e o metropolitano 65,6%; já aquele via fluvial assistiu a uma redução de 58,8%.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR