Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Quando os Milwaukee Bucks foram campeões da NBA pela última vez, em 1971, o atual treinador Mike Budenholzer tinha apenas quatro anos. Quando os Milwaukee Bucks foram campeões da NBA pela última vez, em 1971, alguns dos pais dos atuais jogadores ainda não tinham nascido. Quando os Milwaukee Bucks foram campeões da NBA pela última vez, em 1971, faltavam 23 anos para Giannis Antetokounmpo nascer em Atenas. Exatamente 50 anos depois, os Milwaukee Bucks voltaram a ser campeões da NBA.

A equipa do Estado do Wisconsin voltou a bater os Phoenix Suns na madrugada desta quarta-feira e venceu as Finals em seis jogos — depois de ter perdido os primeiros dois. Os Bucks tornaram-se assim apenas a quinta equipa na história da NBA a conquistar o título após ter saído derrotada das primeiras duas eliminatórias. Algo que só provou um caráter de enorme perseverança e resistência do grupo, que também venceu a final da Conferência Este contra os Brooklyn Nets depois de estar a perder 2-0.

Assim, e com a derradeira vitória por 105-98, os Milwaukee Bucks fecharam as Finals em seis partidas, oferecendo às 20 mil pessoas que coloriram o Fiserv Forum e às 65 mil que celebraram junto ao recinto um novo cântico para entoar: “Bucks in six”, Bucks em seis. Giannis Antetokounmpo, que chegou a estar em dúvida para esta série depois de se ter lesionado no fim da Conferência Este, voltou a ser preponderante e a igualar registos e números de Michael Jordan e LeBron James. O grego de 26 anos acabou a partida com 50 pontos e 14 ressaltos (apenas o sétimo jogador de sempre a atingir esses números na final), arrecadou naturalmente o prémio de MVP das Finals e coroou outra exibição monumental com o facto de se ter tornado o primeiro em 50 anos a marcar 20 ou mais pontos em mais do que um período de um jogo da final. Pelo meio, deu o salto para a história que o coloca agora ao lado de Kareem Abdul-Jabbar, a estrela da equipa dos Milwaukee Bucks que foi campeã em 1971.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Quero agradecer a Milwaukee por acreditar em mim. Os meus colegas de equipa jogaram muito bem em cada jogo. Confiei nesta equipa. Queria fazê-lo aqui, nesta cidade. Queria fazê-lo com estes rapazes e por isso estou muito feliz”, disse Antetokounmpo no final do encontro, deixando palavras específicas a Khris Middleton, que acabou o jogo com 17 pontos e com quem joga há oito anos, desde que chegou à NBA. “Conseguimos! Este tipo não sabe o quanto me pressionou. Empurrou-me todos os dias para ser genial, para ser uma grande pessoa. Estou feliz por poder pisar o campo com este tipo e por jogar cada minuto com ele”, completou o grego, que é filho de pais nigerianos e que chegou então à NBA em 2013 e logo para representar os Bucks.

Para trás, fica uma temporada inesquecível dos Phoenix Suns, que à boleia de Chris Paul e Devin Booker procuravam o primeiro título da história da franquia. Ganharam os primeiros dois jogos mas esbarraram num enorme Giannis Antetokounmpo — que voltou a mostrar ao mundo inteiro que não só é o futuro da NBA como está na hora de todos aprenderem a dizer o seu nome.