A Volkswagen prossegue o desenvolvimento da versão de série antecipada pelo ID. Buzz, eléctrico que recupera as formas do icónico “Pão de Forma”. Ao que avança a Automotive News, nesta sua segunda “vida”, o pequeno furgão surgirá especialmente vocacionado para uma utilização profissional, com versões preparadas para o ride-pooling, ride-hailing e transporte de mercadorias. Ou seja, quem ansiava por uma proposta destinada à família, parceira de férias ou de aventuras longe de casa, com muito espaço a bordo e uma autonomia condizente, vai ter de esperar.

Numa fase inicial surgirão três versões, pensadas para ir ao encontro das necessidades dos profissionais nos mercados europeu e norte-americano. O lançamento far-se-á na Europa, no final do próximo ano, para dois anos depois o ID.Buzz desembarcar nos Estados Unidos da América, onde será proposta uma variante de apenas quatro lugares, dois voltados para a frente e os outros dois voltados para trás, libertando espaço para oferecer um amplo compartimento de carga.

A esta versão destinada à deslocação de pequenos grupos junta-se uma outra, de seis lugares, para potenciar o encaixe com o ride-pooling, serviço em que os utilizadores estão na predisposição de fazer paragens ao longo do trajecto, para apanhar outros clientes que optam por este tipo mais barato de “boleia”. Para que a viagem se faça com mais conforto, os quatro lugares de trás vão contar com acesso individual e um ecrã para cada passageiro.

A terceira variante na calha visa, claramente, o transporte de mercadorias. A versão de série do ID. Buzz Cargo contará apenas com os dois bancos à frente e procurará conquistar uma fatia do negócio das entregas para compras efectuadas online, compatibilizando uma razoável capacidade de carga com a deslocação zero emissões, o que tornará este “Pão de Forma” moderno especialmente funcional na recolha e entregas de bens em áreas urbanas e na periferia destas.

Pão de Forma eléctrico sem condutor ainda em 2021

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Apostando que o negócio do car-sharing e da entrega de mercadorias se tornará muito mais interessante se o condutor puder ser dispensado, a Volkswagen continua a testar a condução autónoma. Os planos mantêm-se, a avaliar pelos protótipos apanhados em testes, tudo se encaminhando para que o ID. Buzz seja o primeiro Volkswagen a oferecer condução autónoma de nível 4. Não é segredo que a marca alemã pretende integrá-lo na MOIA, a subsidiária do grupo para a área da mobilidade, gestão de frotas e transporte partilhado. Idealmente, a partir de 2025.

O homem que lidera o desenvolvimento da condução autónoma na Volkswagen é Christian Senger, que o construtor de Wolfsburg foi buscar à BMW para ser o responsável máximo pelo software e que, depois dos atrasos e das falhas que marcaram o lançamento do VW ID.3, foi substituído por Alexander Hitzinger. Na apresentação da estratégia da Volkswagen até 2030, onde surgiu a imagem de um Buzz autónomo, Senger reiterou o potencial da solução: “Veículos autónomos, em que não há necessidade de um condutor com habilitação para tal a bordo e em que o responsável pela mercadoria se pode concentrar exclusivamente na recolha e na entrega, são o futuro das redes de distribuição.” O mesmo responsável adiantou ainda que a Volkswagen estima receitas na ordem dos 70 mil milhões de euros em serviços de mobilidade nos cinco maiores mercados europeus até 2030.