O cabeça de lista do PAN (Pessoas-Animais-Natureza) à Câmara de Leiria reclamou esta quuitna-feira, em declarações à agência Lusa, mais e melhor alojamento para os estudantes do ensino superior e uma maior proximidade com a autarquia.

“Existe uma grande precariedade no alojamento, quer em termos de quantidade, quer em termos de qualidade. Isso é algo que tem de ser resolvido”, afirmou Pedro Machado, que reuniu recentemente com duas associações de estudantes do Politécnico de Leiria.

O candidato adiantou ainda que os estudantes alertaram também que o “município não tem uma relação de muita proximidade com a comunidade estudantil”.

“Tem uma relação de proximidade com o Politécnico, mas dar as condições para que os estudantes se mantenham a estudar e que tenham todas as condições para poder estudar, sobretudo ao nível do alojamento, é algo que tem de ser revisto e tem de haver uma maior proximidade entre o município e os estudantes”, salientou o cabeça de lista do PAN.

Além de maior oferta, Pedro Machado reclamou ainda “mais residências [de estudantes]” e “alojamento acessível”.

Para Pedro Machado, disponibilizar um espaço para a sede das associações de estudantes na cidade iria colaborar na “relação dos estudantes” com as pessoas que “habitam na cidade”.

“Às vezes existe ali algum conflito com aquela coisa da juventude, com as saídas noturnas”, pelo que “deve haver uma maior ligação entre a comunidade e os estudantes”.

Segundo Pedro Machado, a rede de transportes públicos também não serve os estudantes do ensino superior, que terminam as aulas às 20:00. “É manifestamente ineficiente para aquilo que é necessário. A partir dessa hora, o estudante já não tem autocarro para ir para casa. É inconcebível e não faz sentido nenhum”, acrescentou.

A “mobilidade suave” e “melhores condições para que os estudantes se possam deslocar na cidade em segurança” são outras prioridades do PAN para Leiria.

No ensino básico, Pedro Machado defendeu ainda um “modelo de ensino mais democrático”, onde “todas as partes envolvidas têm uma voz”, “desde as associações de pais, aos próprios estudantes, aos auxiliares de ação educativa, aos professores e à gestão, em parceria com o município”, que passa a ter mais competências.

A transferência de competências “é uma oportunidade para que os municípios se envolvam mais e se criem escolas mais democráticas e mais abertas à comunidade”.

“Sendo um partido francamente ambientalista, acreditamos que temos de dar o passo em frente ao nível do modelo educativo e consideramos que modelos baseados na natureza, ou seja, na relação com e na natureza serão os mais indicados para fazermos crescer as gerações com o respeito pela natureza”, adiantou.

O candidato considerou que há também “oportunidade para se reverem os currículos, que “são exagerados”, apostando “muito mais nas atividades de enriquecimento curricular, nas artes, na cultura e no desporto escolar, que são fundamentais para o crescimento saudável das crianças e jovens, e até na própria alimentação saudável”.

Nas últimas eleições autárquicas, em 2017, o PS manteve a liderança da Câmara de Leiria, conquistando oito mandatos, enquanto o PSD obteve três.

São também candidatos à Câmara de Leiria nas eleições autárquicas de dia 26 o presidente da Câmara, Gonçalo Lopes (PS), Álvaro Madureira (PSD), Luís Paulo Fernandes (Chega), Marcos Ramos (Iniciativa Liberal), Luís Miguel Silva (BE), Fábio Seguro Joaquim (CDS-PP/MPT), Sérgio Silva (CDU) e Filipe Honório (Livre).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR