Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

Também em Milão as coisas parecem estar a voltar ao dito normal, apesar dos vários desfiles e apresentações que se mantiveram digitais. As casas italianas deram tudo de si neste regresso às passerelles numa semana da moda que termina esta terça, 27. Houve muito brilho para preparar o regresso à rua, inspirações nostálgicas nos anos 2000 que trazem de volta a estética Y2K e explosões de cor para animar a vida pós-pandemia.

Kim Jones mandou para a passerelle a primeira coleção feminina da Fendi assinada por si em formato físico. Mas a marca não ficou por aqui. Num desfile surpresa, a Fendi e a Versace fundiram-se e deram origem à Fendace, uma coleção especial assinada pelos diretores criativos de ambas as casas de moda.

A Versace não deixou de surpreender e, cada vez mais atenta à camada jovem, Donatella decidiu apostar num símbolo desta geração: a estrela pop Dua Lipa. Além de oferecer a banda sonora do desfile, a cantora abriu e fechou o mesmo ao caminhar confiante na passerelle. Giorgio Armani mostrou que a sua etiqueta Emporio Armani também continua a olhar para os jovens, com uma coleção consistente que comprova isso mesmo para celebrar os 40 anos da marca.

Também houve moda portuguesa a apresentar-se em Milão. Primeiro com Gonçalo Peixoto, que foi buscar as memórias da sua avó para uma coleção que é um tesourinho da sua infância e da figura familiar. Já Alexandra Moura, olhou para os seus 20 anos de carreira e trouxe memórias fotográficas desses tempos para as passerelles, onde não faltou a veia punk já habitual da designer.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Alexandra Moura

Foi integrada no calendário oficial da Semana da Moda de Milão em 2019 e apresentou a sua coleção Primavera 2022 no último dia do evento, no Museo della Permanente, com apoio do Portugal Fashion. Na coleção “Confia na tua visão”, as referências punk voltam a marcar o passo de todo o desfile e das criações que lhe dão ritmo, até porque fazem parte do ADN da criadora que assinala quase duas décadas de carreira. O desfile abre com um vestido composto por recortes fotográficos impressos em tecido e unidos de forma a compor a silhueta feminina, com sobreposições e comprimentos distintos —as já conhecidas da designer. As fotografias deste vestido e de outras tantas peças são, precisamente, trabalhos e editoriais fotografados por Rui Aguiar — que trabalha com Alexandra há muitos anos — ao longo destes últimos 20 anos.

15 fotos

As laçadas, já conhecidas da designer, estão presentes em alguns modelitos, mas sobretudo nos sapatos dos manequins. Os conjuntos acetinados, em tons caramelo, quebraram a dureza das peças oversized já habituais de Alexandra Moura, e também muito presentes no desfile. Os blazers estruturados foram uma constante, assim como o blusão de couro com o mesmo corte e aberturas nos ombros.

Dolce & Gabbana

Depois de um ano e meio de pandemia — e com a coleção Alta Moda —, a dupla não escondeu a necessidade de trazer de volta o glamour de quem está pronto a sair à rua para viver a vida ao máximo — e a Dolce & Gabbana sempre foi espelho disso. Talvez numa das coleções mais jovens de sempre, uma vez mais para manter a Gen Z debaixo de olho, Domenico Dolce e Stefano Gabbana olharam então para o ano 2000, altura que ficou marcada pela estética Y2K. “Pensámos em fazer algo que não fosse semelhante [à coleção D&G de 2000], mas com o mesmo estado de espírito daquela coleção de 2000. Estamos a sair de um tempo sombrio e queremos desfrutar da vida. Queremos luz”, disse Stefano, citado pela Vogue. A casa de moda acabou a resgatar peças icónicas dos seus arquivos dos anos 90 e 2000, como as micro saias estampadas, os tops com joias e as calças de cintura descida — muitos umbigos à mostra durante o desfile, assim como o animal print e camuflados. Com uma coleção destas, passa-se tudo menos despercebido e basta olhar (ou envergar) um dos casacos com silhueta-borboleta. Uma especial atenção para um T-shirt com a cara de Jennifer Lopez estampada e com a sua insígnia JLo em vermelho, para o caso de haver dúvidas de mais um símbolo inevitável do início do milénio.

13 fotos

Fendi

Na lendária Via Solari, Kim Jones mostrava a sua mulher Fendi, repensada e mais arriscada que as coleções anteriores, neste que é o seu primeiro desfile ao vivo desde que assumiu a direção criativa da marca. Se há coisa a apontar logo de início ao que passou pela passerelle foi o trabalho minucioso, quase em jeito de homenagem, da utilização de ilustrações de Antonio Lopez em muitas das peças da coleção. “Enquanto eu olhava para o legado de Karl na Fendi, também olhei em redor dele, para os seus contemporâneos — em quem ele estava interessado”, explicou Jones citado pela Harper’s Bazaar. “Lopez era amigo de Karl e sempre foi alguém que me inspirou. Ele estava a pensar no futuro, era inclusivo, admirado por todos, de Andy Warhol a Steven Meisel e David Hockney. Eu quis apresentá-lo a uma nova geração.”

17 fotos

A cor tornou-se mais impactantemente à medida que mais ilustrações davam vida aos modelitos na passerelle — modelos esses que começaram numa paleta de brancos e foram evoluindo para bejes, castanhos, até se tornarem num arco-íris para acabarem no preto, que fechou o desfile. A pinceladas de Lopez aparecem em blusas de seda, kaftans, malas e vestidos, e muitas das ilustrações figurativas dão vida a peças em couro ou de renda. Fendi não era Fendi sem os seus casacos, sobretudo o de penas que aqui apareceu num rosa choque marcante, e os de pelo. A alfaiataria, mais uma vez, foi ponto forte da marca romana, que se inspirou nos anos 70 e no auge do disco, para passar uma mensagem sobre diversidade e a força da mulher.

Gonçalo Peixoto

As memórias vêm de há muito tempo, nunca estiveram enterradas, mas é nesta coleção que Gonçalo Peixoto decidiu que era altura de verem a luz do dia. O designer português integrou o calendário oficial da Semana da Moda de Milão, através da parceria de cooperação entre a Associação ModaLisboa e o Portugal Fashion, e apresentou a sua coleção ao público num cocktail no Senato Hotel Milano, em que os convidados tiveram oportunidade de ver de perto as peças da primavera de 2022, bem como o vídeo gravado na cidade italiana dias antes e emitido na plataforma oficial da Camera Nazionale della Moda Italiana. “Alice We Will Meet in the Wonderland” é o país das maravilhas da memória de Gonçalo, que foi beber à arca de memórias da sua avó Alice. “‘Encontramos-te no país das maravilhas’ traduz a esperança de um reencontro com a pessoa que marcou a minha infância de uma forma muito impactante, e recria o lugar imaginário e utópico onde as nossas almas se voltam a encontrar”, explica o criador em comunicado. A coleção, quase toda em tons pastel — azuis, laranjas, verdes e rosas — explorou os padrões florais, assim como o vichy, e várias peças mostraram o trabalho minucioso de crochet e brocados.

20 fotos

Emporio Armani

Giorgio Armani assinalou nesta semana da moda 40 anos da sua etiqueta Emporio Armani, marcando assim o regresso aos desfiles depois de ter sido dos primeiros a cancelar em 2020 por riscos associados à pandemia — de recordar também que as fábricas Armani produziram uniformes para profissionais de saúde no tempos negros da Covid-19. A celebração veio assim na forma que o criador de moda mais tem demonstrado ao longo dos últimos anos nas passerelles — com consistência. Com peças masculinas e femininas, nesta que é o tentáculo mais jovem do império Armani, o criador trouxe a elegância italiana aliada a alguns símbolos da marca. “Nesta estação, a viagem começa num deserto imaginário, atravessando o seu oásis e terminando caminho de cor vibrantes”, escreveu o criador nas notas do desfile. “E tudo se mistura, muito livremente.”

17 fotos

Giorgio Armani desejou longa vida à ganga, com a qual arrancou o desfile, com blazers e calças patchwork neste material usando vários tons, e a partir daí a passerelle foi assumindo um gradiente de cores e estilos diversos. A casa italiana passou por silhuetas fluídas de seda e cetim, conjuntos mais desportivos, alfaiataria em linho, com muitas peças a serem complementadas por cintos de corda e colares grandes. Giorgi Armani rematou o desfile com um trio de modelos com tops e saias pailette em cores primárias, um fecho em grande, com brilho e a dar provas da sintonia que mantém com a geração mais jovem.

Versace

Nem sempre os modelitos são o que mais burburinho causa num desfile de moda e, no caso desta estação, Donatella Versace fez escolhas que deram que falar — a cantora Dua Lipa abriu e fechou o desfile, cuja música serviu de banda sonora ao espetáculo. Donatella sabe, de facto, captar a atenção, tanto dos fiéis seguidores Versace, como da camada mais jovem, a chamada geração Tik Tok, que tem tido um papel de destaque no panorama da moda e dos designers – um lembrete à criação da designer italiana para Lis Nas X na Met Gala. Num desfile de empoderamento da marca, não faltaram clássicos Versace, como os padrões Medusa e La Greca, com uma paleta de cores que gritava pop. Apesar de um começo onde dominou o preto, a cor começou a brotar em pequenos detalhes até se tornar gritante. Donatella presenteou a plateia com lenços – na cabeça, no pescoço e a fazer de top —, casacos estruturados, camisas fluídas, equipamentos de basquetebol de seda, rachas de grande amplitude em vestidos e saias e, claro, peças em lantejoulas — uma das quais em rosa choque envergada por Dua Lipa no encerramento do desfile.

19 fotos

Prada

Dois desfiles simultâneos e uma coleção co-dirigida que finalmente viu a luz do dia — é apenas um breve resumo da apresentação da Prada nesta estação. A ter lugar em Milão e em Xangai, esta foi a primeira oportunidade física de deitar o olho na co-direção criativa da marca entre Miuccia Prada e Raf Simons, 18 meses depois de esta ter arrancado. O foco esteve no espartilho, uma peça tradicionalmente feminina e também ligada à opressão do corpo, apesar de este ter sido apresentado de uma forma desconstruída e recontextualizada pelos dois designers. “Seduction, Stripped Down” é o nome da coleção que vê com outros olhos aquilo que é (ou poderá) ser sexy, isto porque as formas mudam, a aceitação dos corpos também e a objetificação do corpo da mulher idem, e para o verão de 2022 Raf Simons e Miuccia Prada quiseram mostrar isso com peças que têm o seu quê de sobriedade, ao mesmo tempo que transmitem uma sensualidade pensada e equilibrada. Vestidos e blusas bem cerrados à frente e com as costas ao léu, saias curtas com longas caudas de cetim, casacos adornados com cordões de espartilhos, os blusões de couro e os slingbacks de salto baixo foram apenas alguns dos destaques do desfile, que também foi transmitido online. “Pensámos em palavras como ‘elegante’, mas isso pareceu-nos tão antiquado. Na verdade, trata-se de uma linguagem de sedução que conduz sempre de volta ao corpo. Utilizando estas ideias, estas referências a peças históricas, a coleção é uma investigação do que elas significam hoje”, referiu Miuccia nas notas de imprensa citada pela Vogue.

17 fotos

Fendace

Leia-se: Versace by Fendi ou Fendi By Versace, uma colaboração única e inesperada (apesar dos rumores) no mundo da moda, pelo menos com o peso que cada uma das marcas tem na indústria e que não pertencem ao mesmo grupo. O que é certo é que Kim Jones, diretor artístico das coleções femininas da Fendi, Silvia Venturini Fendi, designer de roupa masculina da Fendi, e Donatella Versace, convidaram-se mutuamente para pôr as mãos nas marcas um do outro e mostrar o resultado na passerelle, honrando por sua vez o trabalho de Gianni Versace e Karl Lagerfeld.  Não passou despercebida a “brincadeira” com o duplo-F da Fendi que se fundiu com o padrão Greca da Versace em casacos, malas e até meias. E para um momento para mais tarde recordar não faltaram supermodelos para avivar a memória tardia — pela passerelle passaram Kate Moss, Naomi Campbell, Kristen Mcmenamy, Amber Valletta e Shalom Harlow, além de Gigi Hadid, Lila Moss ou Precious Lee.

11 fotos