762kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Este crossover antecipa o que a Nissan prepara

Depois de anunciar que, a partir de 2030, só vai vender carros eléctricos, a Nissan começa a dar pistas sobre o seu futuro. Com o salão de Tóquio à porta, promete quatro protótipos. Este é o primeiro.

4 fotos

A Nissan vai com tudo para o Japan Mobility Show, salão automóvel que era até agora conhecido como Tokyo Motor Show e que, em 2023, adopta uma denominação mais abrangente, pese embora continue a realizar-se em Tóquio. O certame vai abrir portas ao público de 26 de Outubro a 5 de Novembro, mas a marca japonesa aposta na antecipação e vai mostrar digitalmente, ao longo deste mês, nada menos que quatro protótipos 100% eléctricos. E o concept que inaugurou a revelação do quarteto é um arrojado crossover, com portas de abertura tipo tesoura e interior renovável, chamado Hyper Urban.

Os restantes protótipos – a serem apresentados nos próximos dias 10, 17 e 19 – também irão integrar a palavra “Hyper” na denominação para, segundo o construtor nipónico, “expressar o máximo de emoção que a Nissan quer trazer sobre o futuro inovador e tecnológico da marca”.  O Urban, como o nome indica, foi projectado sobretudo para ir ao encontro dos que se deslocam eminentemente em cidade ou que têm fortes preocupações com a preservação do planeta. Daí o facto deste protótipo ser 100% eléctrico, apesar da marca não revelar nada de relevante a esse respeito, não mencionando sequer a motorização ou a capacidade da bateria. Limita-se, isso sim, a indicar que o veículo possui um carregador bidireccional, estando preparado para fornecer energia à casa (V2H, de vehicle-to-home) ou à própria rede eléctrica (V2G, de vehicle-to-grid). A Nissan acrescenta ainda que, para uma maior eficiência energética, o sistema de gestão de carga do Hyper Urban conta com inteligência artificial.

2 fotos

Esteticamente, o primeiro dos quatro protótipos que a Nissan vai apresentar em Tóquio assume-se como um crossover de linhas agressivamente vincadas (ao estilo japonês), sem pilar central e com portas que abrem na oblíqua para facilitar o acesso a bordo. Uma vez lá dentro, é difícil reconhecer nesta proposta qualquer semelhança com os Nissan do momento. E não é só pelo efeito caleidoscópico que chega a baralhar a vista…

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O interior é tão futurista quanto o conceito de sustentabilidade que presidiu à concepção deste Hyper, um modelo que se quer basicamente para… toda a vida. Segundo o construtor japonês, para manter o valor do veículo durante mais tempo, não é apenas o software que pode ser actualizado. O mesmo acontece ao hardware, que pode ser renovado para se manter actual. É o caso do painel de instrumentos, por exemplo, que além de adaptável ao humor do proprietário, pode ser substituído para dar lugar a uma instrumentação mais evoluída, do ponto de vista gráfico e da experiência de utilização.

Mas, olhando para as fotos libertadas pela marca, eventualmente o que mais chama a atenção neste protótipo é o facto de o volante recolher e os bancos dianteiros se poderem dobrar e juntar aos de trás, configurando duas cómodas poltronas onde se podem esticar as pernas. O curioso é que, tradicionalmente os construtores de automóveis aproveitam estes conceitos para prometer a introdução de um elevado nível de condução autónoma, mas a Nissan fala simplesmente em relaxar… “O Hyper Urban dá pistas sobre o design futuro e as capacidades tecnológicas da oferta eléctrica da Nissan”, sublinha a marca, que anunciou há dias que vai abandonar por completo os motores de combustão dentro de sete anos.

Vote no jornalismo independente.

Assine o Observador com 45% de desconto.

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver oferta

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.