758kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Veja (e oiça) o Ferrari SF90 XX bater o recorde de Fiorano

Os mais desportivos dos Ferrari têm de demonstrar o seu valor em Fiorano e o SF90 XX bateu o recorde da pista da marca, deixando folgadamente atrás de si os míticos Enzo e LaFerrari. Veja e oiça aqui.

3 fotos

O ranking do melhor desportivo dos Ferrari é estabelecido não pela potência, pelas formas agressivas ou pela capacidade de aceleração. Para o construtor italiano e para os respectivos fãs, a “raça” de cada veículo é medida pelo tempo por volta registado no circuito de Fiorano, a pista da Ferrari por onde todos os carros da marca passam, tanto os de competição, do GT3 aos F1, como os modelos de estrada. Entre estes últimos, o novo recordista é o SF90 XX.

Para ascender à liderança do ranking e bater o recorde de Fiorano para carros homologados para circular na via pública, o Ferrari SF90 XX teve de superar os seus antepassados. Ao percorrer uma volta em 1 minuto e 17,3 segundos, o novo XX bateu em 1,4 segundos a versão “normal” do SF90, mas deixou igualmente atrás de si e a 9,7 segundos o F50, o Enzo a 7,6 segundos e o LaFerrari a 2,4. E na Ferrari é bom não desrespeitar os modelos mais antigos, uma vez que os F1, que também são desenvolvidos em Fiorano e estabelecem aí os recordes, continuam a ter o melhor tempo por volta nas mãos do F2004, pilotado por Schumacher, que há 19 anos rodou em 55,9 segundos, tempo que continua a ser o recorde na pista com 2,99 km e 12 curvas.

O SF90 XX é uma evolução do SF90, mantendo o motor V8 biturbo com 3990 cc, reforçado por três motores eléctricos, um colocado entre o V8 e a caixa, com os restantes a serem instalados no eixo dianteiro, um associado a cada roda, para assegurarem tracção integral e agirem como estabilizadores do comportamento. São ainda os motores dianteiros que movem o Ferrari durante os 25 km de autonomia em modo 100% eléctrico.

Mas o SF90 XX diferencia-se do seu parente menos ousado e mais acessível, o SF90, por ter o V8 a desenvolver mais 17 cv, atingindo agora 797 cv, perdendo algumas peças para aliviar peso, com a retirada do sistema de admissão de ar secundário a economizar 3,5 kg. Ao ganho no motor a combustão junta-se o incremento da potência dos motores eléctricos, que debitam uns adicionais 13 cv, elevando de 1000 para 1030 cv o rendimento total do desportivo.

Ferrari faz render o SF90 Stradale e solta 1030 cv (com ou sem capota)

Evidentes são as evoluções aerodinâmicas, com o splitter dianteiro a ser mais eficiente, com a entrada de ar central para arrefecimento a ter saídas no capot frontal. Mas o que mais salta à vista é a asa fixa traseira, algo que a Ferrari não utilizava desde o F50 lançado no mercado há 28 anos. E, para maximizar a eficácia desta solução, o construtor transalpino introduziu uma segunda asa, sob a primeira fixa, que vai de low drag a high downforce em função da posição de um apêndice entre a asa e o vidro posterior, que pode abrir para expor a segunda asa (high downforce) ou fechar. Com as duas asas activas, o SF90 XX garante um apoio aerodinâmico de 530 kg sobre a traseira a 250 km/h.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.