O trambolhão que os alunos de 15 anos deram nas áreas de leitura, ciências e matemática foi generalizado. Portugal deixou de ter o rótulo de caso de sucesso e o mais recente PISA revela desempenhos mais frágeis dos alunos portugueses, tal como acontece na maioria dos 81 países e regiões analisados pela OCDE. “Surpresas não tive muitas”, confessa João Costa, ministro da Educação, em declarações ao Observador. “Este é o PISA da pandemia e, portanto, ninguém tinha expectativa de que houvesse melhorias de resultados, todos estávamos à espera de que houvesse uma queda. Foi isso que aconteceu de forma transversal, com exceção em alguns países orientais.”

Portugal já não é o caso de “sucesso” e cai em todos os domínios, em linha com a OCDE. O PISA explicado em 13 gráficos

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.