“O nosso casamento estava assente na insegurança”, disse Leonard Bernstein certa vez numa entrevista. “Há um preço a pagar por se estar na órbita do meu irmão”, diz a irmã de Bernstein a certa altura de Maestro, de Bradley Cooper, que também interpreta o lendário e carismático maestro, músico, compositor de bailados, óperas e musicais da Broadway, divulgador e pedagogo, vencedor de vários Grammys e Emmys, e detentor de álbuns de ouro e de platina. Mas o filme está menos interessado em todo este currículo do que no Bernstein íntimo, nas suas contradições sexuais, sentimentais e conjugais, referidas ao casamento com a atriz Felicia Montealegre (Carey Mulligan), que lhe aturou até morrer a intensa promiscuidade, que sabia das relações bissexuais e que viveu os ocasionais vexames sociais e domésticos, mantendo a família sempre unida.

[Veja o “trailer” de “Maestro”:]

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.