758kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Morreu Ryan O'Neal, ator de "Love Story", aos 82 anos

O ator norte-americano, conhecido por filmes como "Love Story" e "Paper Moon", morreu esta sexta-feira, aos 82 anos. Foi companheiro da atriz Farrah Fawcett.

GettyImages-183452216
i

FilmMagic

FilmMagic

Morreu Ryan O’Neal, ator norte-americano que  ficou conhecido pelo papel de ‘Oliver’, no filme “Love Story”, de 1970. Tinha 82 anos.

O papel em “Love Story”, onde dava vida a “Oliver Barrett IV”, um jovem de boas famílias que casava com uma jovem a morrer, interpretada por Ali MacGraw, valeu-lhe a única nomeação a um Óscar que recebeu ao longo da sua carreira. O filme foi um enorme sucesso, estando ainda hoje na lista dos 10 filmes mais românticos do mundo do American Filme Institute.

A confirmação foi feita pelo filho numa publicação na rede social Instagram, que não mencionou a causa da morte do ator. “O meu pai tinha 82 anos e viveu a vida em grande”, escreveu o filho, Patrick O’Neal no Instagram. Na publicação de despedida, mencionou a paixão do pai pelo boxe. “Espero que a primeira coisa de que ele se possa gabar no céu é de como disputou dois ’rounds’ com o Joe Frazier em 1966, na televisão nacional, com o Muhammad Ali a fazer o comentário”, escreveu. “Adorava boxe. E atingir o saco.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“O Ryan nunca se gabou”, descreveu Patrick O’Neal, escolhendo referir-se ao pai pelo nome próprio. “Mas no céu tem direito a gabar-se. Especialmente quando toca à Farrah [Fawcett]. Toda a gente tinha o poster, ele tinha o original.” Agora, diz Patrick O’Neal, “vão reencontrar-se.”

Ryan O’Neal foi durante anos o companheiro da atriz Farrah Fawcett que faleceu em 2009 com 62 anos, vítima de cancro. A atriz ficou para sempre associada ao poster onde surge de fato de banho vermelho, uma sessão que até tem direito a página própria na Wikipédia. A imagem de Fawcett, que brilhou na televisão em “Anjos de Charlie”, foi capturada pelo fotógrafo americano Bruce McBroom em 1976.

GettyImages-76200867

O ator teve uma longa relação com Farrah Fawcett

WireImage

O’Neal e Fawcett estiveram juntos quase 20 anos, sem nunca casarem, tendo-se separado em 1997. Mas reconciliaram-se e viviam juntos quando a atriz morreu.

O ator teve os seus desempenhos mais conhecidos na década de 1970 quando contracenou com Barbra Streisand na comédia “What’s Up Doc?” e em “Paper Moon”, um filme onde a ação se passava durante a Grande Depressão do realizador Peter Bogadnovich. Ryan atuou ao lado da filha, Tatum O’Neal, de dez anos que ganhou um Óscar pelo papel. Ainda nos anos de 1970 trabalhou com o realizador Stanley Kubrick no filme de época “Barry Lyndon”.

Vindo de uma carreira na televisão, O’Neal que nunca teve formação de ator e não foi a primeira escolha para o papel que mais reconhecimento que lhe deu no filme Love Story que só conseguiu depois da recusa de Jon Voight, o protagonista do “Midnight Cowboy”. Mas conseguiu manter uma carreira de destaque ao longo dos anos de 1980 e 1990, tendo feito vários filmes. O seu último trabalho em televisão foi na série de crime “Bones”. Em 2011, Ryan O’Neal e a filha Tatum protagonizaram um reality show no canal de cabo da Oprah Winfrey.

Conhecido pelo temperamento explosivo, O’Neal chegou a ser detido numa acusação relacionada com posse de droga, que envolveu também o filho que teve Farrah Fawcett. O ator declarou-se culpado e aceitou ir para um centro de reabilitação, mas durante parte da sua vida enfrentou problemas com a adição que aliás afetaram também os filhos, em particular a mais famosa, Tatum O’Neal.

Não foram reveladas as causas da sua morte, mas a BBC recorda que Ryan O’Neal foi diagnosticado com uma leucemia crónica em 2001 e, mais recentemente em 2012, com um cancro na próstata.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.