805kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

"Guerra Civil": entre os extremos da política e dos videojogos, a fórmula de Alex Garland

Porque a instabilidade assim o dita, este é um dos filmes mais populares do ano, mesmo antes da estreia. Mas além do hype mediático, há um exercício de estilo que promete deixar marcas.

É através da procura de Kirsten Dunst por imagens, enquanto fotojornalista, que acompanhamos boa parte da narrativa de "Guerra Civil"
i

É através da procura de Kirsten Dunst por imagens, enquanto fotojornalista, que acompanhamos boa parte da narrativa de "Guerra Civil"

É através da procura de Kirsten Dunst por imagens, enquanto fotojornalista, que acompanhamos boa parte da narrativa de "Guerra Civil"

Em 2009, o jogo Call Of Duty: Modern Warfare II arrancava com uma missão controversa que misturava a mensagem de guerra com uma belíssima operação de marketing. O jogador controlava um grupo terrorista russo, enquanto agente infiltrado da CIA, num aeroporto. Antes do início da missão, surgia um alerta para “conteúdo sensível”. Mais à frente, quase no final, Washington D.C. transformava-se um campo de batalha, sobrevoava-se a cidade de monumentos destruídos, entre assaltos, ruínas, referências a outras obras de ficção, numa espécie de visita turística apocalíptica.

Está no texto certo, isto é sobre Guerra Civil, o filme escrito e realizado por Alex Garland, britânico que imagina o cenário de um conflito doméstico num futuro próximo nos Estados Unidos. A questão é a forma como jogos da categoria de Modern Warfare II assaltam quem os conhece durante o visionamento do filme. Garland agarrou-se a ideias e sentimentos poderosos dos videojogos e colocou-os a favor do cinema. Resulta. E não é a primeira vez que o faz.

Durante anos dizia-se que um filme parecia um videojogo em jeito de comentário negativo. A ideia era justificada, quem o dizia não jogava videojogos ou, se jogava, limitava-se a uma memória da atividade, não lhe reconhecendo o carácter evolutivo e determinante na cultura popular. Os “jogos de tiros” eram só “jogos de tiros”, sem grande profundidade, e quando apareciam nas notícias eram más notícias, coisas “para quem não tem vida social”. Preconceitos ou estigmas à parte, isto fez com que se ignorasse uma forma de contar histórias, em que o elemento comando/teclado na mão implica que o jogador se sinta presente na história, que se envolva, que sinta o momento como pessoal, por mais abstrato que tudo isto pareça. Na essência, o segredo de um bom videojogo é o segredo de muito bom filme: como contar uma história.

[o trailer de “Guerra Civil”:]

Durante décadas, tanto o cinema como a televisão falharam em perceber este paralelismo que por vezes acaba em cruzamento. As adaptações de videojogos preocupavam-se em capturar a ideia de “é isto que as pessoas querem ver” e tudo se perdia na possibilidade do sucesso de bilheteira. Quando os filmes tentavam ser videojogos, também falhavam porque, evidentemente, uma coisa nunca pode ser a outra.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

As coisas estão a mudar, por maturidade mas, sobretudo, porque uma série de cabeças criativas — que jogaram e continuam a jogar nas consolas e nos computadores — perceberam que os videojogos têm grandes histórias e universos que podem ser explorados no cinema e na televisão. Tudo passa pela forma como se contam. Exemplos recentes como The Last Of Us (HBO Max) ou Fallout (Prime Video) concretizam a maturidade dos videojogos, mostram que há uma geração que bebeu dessa linguagem, percebeu as histórias e, ao longo do percurso — de vida e de carreira — encontrou um momento em que poderia combinar isso tudo. Nenhum outro realizador o faz como Alex Garland fez agora em Guerra Civil.

Garland tem um passado nos videojogos. Escreveu, por exemplo, a pérola esquecida que é Enslaved: Odyssey to the West e uma das melhores histórias de Devil May Cry. Antes de realizar os seus próprios filmes, escreveu os argumentos de 28 Dias Depois, de Danny Boyle, (reveja o filme de 2002 com estas ideias de videojogos presentes) ou Dredd, uma nova versão de Judge Dredd que combinava na perfeição a tensão de The Raid com a dopamina de acabar níveis, missões e de encontrar desafios inesperados. Parecia um videojogo não jogado. E era um grande filme de ação.

O brasileiro Wagner Moura numa das cenas de "Guerra Civil"

Nos que escreveu e realizou antes de Guerra Civil, Aniquilação (2018) parece um shoot’em’up transformado em filme com umas ideias roubadas a The Last Of UsMen (2022) explora as margens da abstração de terror, bem como a imagética, de franchises como Silent Hill e faz a história vencer-se mais por sensações do que explicações: a forma como se abre à interpretação livre é muito devedora dos primórdios do género survival horror nos 1990s.

Guerra Civil mostra a Califórnia e o Texas revoltados contra os restantes Estados Unidos da América. O filme começa com o Presidente norte-americano (Nick Offerman) a preparar um discurso sobre a proximidade da vitória contra as forças rebeldes. Alex Garland faz um filme político a partir de uma posição muito apolítica. A informação que o espectador recebe irá afetá-lo conforme as suas crenças, mas o que ali importa é a proximidade transmitida. Porque Garland faz-nos sentir como se estivéssemos lá, entre uma personagem e um jogador.

Ajuda a perspetiva ser a de jornalistas. Lee (Kirsten Dunst), Joel (Wagner Moura), Sammy (Stephen McKinley Henderson) e Cassie (Cailee Spaeny) estão em Nova Iorque e dois deles, Lee e Joel, querem ir até Washington D.C. para entrevistar o Presidente. Sammy vai à boleia para chegar a outro sítio, Cassie é uma aspirante a fotojornalista, uma espécie de penetra que não quer perder a oportunidade. Entram numa road trip, a guerra civil é vista a partir dos olhos deles, das câmaras, da perspetiva de que, aconteça o que acontecer, não irão intervir. Muitas vezes até são escoltados por outros soldados para captar o momento.

Os quatro são então espectadores da guerra e nós somos espectadores deles. Não temos um comando na mão, mas a forma como avançam no terreno, como interagem, coloca em permanência esta sensação. Durante quase duas horas, Alex Garland promove a ilusão de participação filme, experiencia-se aquela guerra pela ideia de proximidade, através da pergunta permanente: como nos adaptaríamos se a verdade de repente fosse esta? Esta que parece tão próxima, onde os extremos crescem cada vez mais?

Jesse Plemons e Nick Oferman representam diferentes lados do conflito que, no filme, opõe Califórnia e Texas aos restantes Estados Unidos

Por vezes, surgem possibilidades de resposta, quando é revelada uma cidade que parece alheia ao que está a acontecer; ou o duelo inesperado entre dois atiradores furtivos (forte candidata a melhor cena de Guerra Civil). Cenas que são balões de oxigénio para que exista algo a que o público se possa agarrar.

Guerra Civil é um filme pertinente, muito presente. Os quatro filmes que Alex Garland realizou são todos atuais e à medida que os foi fazendo, também se foram aproximando cada vez mais de nós. Ex-Machina e Aniquilação pareciam ficção científica para a realidade das próximas décadas, Men será sempre atual enquanto discussões sobre família, género e o “lugar da mulher” existir; e Guerra Civil vive-se com base no medo sobre o presente o futuro próximo.

Quando se começa a sobrevoar Washington D.C. em Guerra Civil, Modern Warfare II regressa em força. É a mesma ideia implantada no videojogo, de certa forma replicada em cinema. Não é cópia, nem inspiração, mas fruto da tal abertura narrativa que os videojogos mostraram que era possível fazer. Garland leva essas ideias para o cinema e a última meia-hora sente-se como um videojogo.

O tempo dirá se o que Garland aqui faz é positivo ou negativo para o cinema, mas, para já, sente-se como poderoso. E o resultado daquele final é a concretização de um grande filme de guerra, mas talvez mais sobre o que sentimos quando vimos as referências que conhecemos a serem destruídas. Porque as guerras do passado são histórias, Guerra Civil toca de uma forma bruta nas possíveis imagens do nosso futuro.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€ Apoiar

MELHOR PREÇO DO ANO

Ao doar poderá ter acesso a uma lista exclusiva de benefícios

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar

19 MAIO 2024 - SEDE OBSERVADOR

Atos de vandalismo não nos calarão.

Apoie o jornalismo que há 10 anos se pauta pela liberdade de expressão e o nunca vergar por qualquer tipo de intimidação.

Assine 1 ano / 29,90€

MELHOR PREÇO DO ANO