Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

António Costa chegou ao Observador depois das comemorações do 1º de dezembro e antes de ir para o aeroporto apanhar um voo para Bruxelas para o Conselho Europeu. Com tempo apertado, mas sem pressa, o primeiro-ministro garantiu aos portugueses que vai seguir no Natal uma política de “máximo de pedagogia, mínimo de regras“. Mas essas também vão existir. Os especialistas vão ensinar, na televisão, os portugueses a passarem um Natal com menos risco (o menos à mesa possível), mas quanto ao réveillon nada feito: “Não haverá seguramente festas na Passagem de Ano“. Mesmo que a restrição possa, eventualmente, passar das 23h00 para 01h00 na noite de 31, será com o máximo de contenção.

Quanto às vacinas, não chegam com a garantia do fim das restrições, mas o primeiro-ministro garante que o país estará preparado para as aplicar na população no dia em que ficarem disponíveis. António Costa anunciou também que o plano de vacinação é conhecido já na próxima quinta-feira. Voltou a dizer que confia na ciência, mas as decisões são os políticos que tomam e a ideia de deixar de fora os idosos com mais de 75 anos não é aceitável na ética republicana de Costa, mesmo que a ciência o venha a propor.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.